Brasil

ENSINO SUPERIOR » MEC divulga índice que mede a qualidade das instituições brasileiras. DF deixa a desejar

Izabelle Torres

Alana Rizzo

Publicação: 01/09/2009 08:00 Atualização: 10/09/2009 19:13

Quase um terço das instituições de ensino superior avaliadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) caiu na "malha fina" da educação. De acordo com o Índice Geral de Cursos das Instituições (IGC), divulgado ontem pela Secretaria de Ensino Superior, do Ministério da Educação (MEC), das 2 mil faculdades avaliadas, 588 apresentaram problemas graves no quadro de professores, projetos pedagógicos e infraestrutura.

Agora, terão que passar por mudanças urgentes. Do contrário, ficarão impedidas de abrir novos cursos e matricular calouros. Poderão, também, ter o vestibular cancelado e ser descredenciadas, como aconteceu com a Faculdade Cidade João Pinheiro, em Minas Gerais.

O Distrito Federal ocupa uma das piores posições no ranking. Das 58 instituições analisadas, 34 estão abaixo da média. Nenhuma atingiu a nota máxima. A Universidade de Brasília (UnB) conseguiu índice 4, o mesmo da última avaliação, e ficou atrás de 11 universidades públicas que conseguiram nota máxima.

No Brasil, apenas 21 instituições são consideradas pelo MEC centros de excelência - 11 públicas e 10 particulares -, que estão em São Paulo (oito), Minas Gerais (seis), Rio de Janeiro (quatro) e Rio Grande do Sul (três).

O ranking foi criado em 2007 para avaliar, numa única nota, a graduação, o mestrado e o doutorado oferecidos nas salas de aula. O indicador atribui uma pontuação de 1 a 5 a cada instituição de ensino - quanto mais alta a nota, melhor o desempenho. "Quem não está bem, tem que arrumar a casa antes de ampliar a estrutura, criar novos cursos ou matricular mais alunos", informa a secretária de Ensino Superior do MEC, Maria Paula Dallari Bucci, que acredita na tendência de as más instituições desaparecerem.

O índice será usado no processo de recredenciamento das universidades. O MEC também vai acompanhar as instituições com nota 1 e 2, notificá-las e cobrar melhorias. Essas faculdades terão que aprimorar o quadro de docentes, aumentar a carga horária, estruturar bibliotecas e selecionar novos materiais didáticos, entre outras determinações. Foram analisadas 2 mil instituições em todo o país. Cerca de 400 receberam visitas de técnicos do ministério.

Critérios
O IGC é composto pela nota do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e das inspeções in loco. Para a pós-graduação, são usados critérios da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Foram avaliados cursos das áreas de saúde, ciências agrárias, serviço social e engenharia. Para a secretária Maria Paula Dallari Bucci, o IGC irá refletir, no futuro, o padrão das universidades. "Quando tivermos uma série histórica com o ciclo completo do Enade, poderemos analisar melhor as instituições e os cursos", estima.

IGC
O Índice Geral de Cursos (IGC) é um indicador que considera a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação das instituições de ensino superior. Para a composição, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) utiliza dados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e visitas in loco. Para a pós-graduação, o IGC usa critérios estabelecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O resultado final vai de 1 a 5. A média é 3.

Nota alta
Algumas das melhores universidades do país, que alcançaram 5
- Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - Famerp (SP)
- Ibmec (SP)
- Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
- Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
- Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Nota baixa
Algumas das piores universidades do país, que ficaram com nota 1
- Instituto de Ensino Superior do Nordeste (AL)
- Faculdades Integradas Unicesp (DF)
- Faculdade Santa Rita de Cássia (GO)
- Instituto Superior de Educação Vale do Salgado (CE)
- Faculdade Pan-Americana (PA)
- Instituto Superior de Educação Programus ISEPRO (PI)

Na berlinda
Oito instituições atingiram por três anos consecutivos nota 2. O ministério vai abrir prazo de um ano para que estas universidades resolvam pendências. Do contrário, poderão ser descredenciadas
- Centro de Ensino Superior de Valença (RJ)
- Escola Superior de Astronomia de Paraguassu Paulista (SP)
- Faculdade de Educação Física de Foz do Iguaçu (PR)
- Escola Superior de Educação Física da Alta Paulista (SP)
- Faculdades Integradas da Terra de Brasília (DF)
- Faculdades Integrada Espírita (PR)
- Instituto de Ensino Superior Mater Dei (AM)
- Universidade Ibirapuera (SP)

Bomba
Única universidade descredenciada este ano.
- Faculdade Cidade João Pinheiro (MG)

Fonte: Ministério da Educação (MEC)

» Instituições de Brasília ficam abaixo da média

Das 58 instituições avaliadas no DF, apenas três tiveram nota 4. Onze ficaram na média (3) e 34 cravaram nota 2. A Faculdade LS e a Unicesp tiveram as piores notas: 1 (veja quadro). As oito restantes serão reavaliadas. O caso mais grave é das Faculdades Integradas da Terra de Brasília (FTB), instituição que não conseguiu alcançar a média por três vezes consecutivas.

Um termo para sanar os problemas será assinado com o MEC e a entidade ficará proibida de abrir vagas e aumentar o número de alunos até resolver a situação. O prazo para a solução das irregularidades é de um ano.

De acordo com o diretor executivo da FTB, Charles Rangel, a nova gestão assumiu a instituição em maio, o que, segundo ele, explica parte dos problemas. "Estamos tentando resolver as pendências apontadas pelo MEC e queremos manter a qualidade acadêmica", afirma.

A diretora da faculdade LS, Madelena Guedes, alega que a nota baixa foi consequência de um erro da instituição ao preencher o formulário do ministério. Ela alega que a faculdade não poderia ser avaliada, pois não participou das provas do Enade. "Nós só tínhamos alunos novatos. Nenhum que estava concluindo o curso. Mas, por um erro, mandamos o documento como se tivéssemos dois formandos e a nota foi dividida por eles. Encaminhamos errata ao ministério, mas não mudaram nossa nota. Estamos com recurso em andamento", argumenta.

O Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb) obteve nota 2 e o diretor adjunto da instituição, Ricardo Carioni, contesta o índice. "Essa nota 2 foi um erro e estamos tranquilos de que será corrigida", diz.

A diretora acadêmica do Unicesp, Ana Angélica Paiva, também não concorda com o índice 2. Em nota, afirmou que o indicador de qualidade não reflete a realidade da instituição como um todo, já que, dos 22 cursos em funcionamento, apenas quatro foram avaliados pelo Enade. "A nossa expectativa é de que os novos resultados nos coloquem em outra faixa de posicionamento", diz. (AR e IT)

» Ranking das faculdades do DF
Nota 4
Universidade de Brasília (UnB), Faculdade AIEC - AIEC/FAAB e Escola Superior de Ciências da Saúde

Nota 3
Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), Universidade Católica de Brasília, Centro Universitário de Brasília (UniCeub), Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, Faculdade de Tecnologia Cenacap, Faculdade Fortium, Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (Faciplac), Faculdades Integradas (Upis), Instituto Superior de Educação Paulo Martins, Instituto Superior de Educação do Cecap, Instituto Superior de Educação Franciscano Nossa Senhora de Fátima

Nota 2
Centro Universitário Euro-Americano (Unieuro), Centro Universitário Planalto (Uniplan), Faculdade Ad 1 (Unisaber), Faculdade Alvorada de Educação Física e Desporto e Faculdade Alvorada de Informática, Faculdade Cecap do Lago Norte, Faculdade Cenecista de Brasília, Faculdade de Administração da Escola Superior Professor Paulo Martins (Espam), Faculdade de Administração JK, Faculdade de Ciências Biológicas JK, Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas (Facitec), Faculdade de Negócios e Tecnologias da Informação, Faculdade de Tecnologia Rogacionista, Faculdade Evangélica, Faculdade Jesus Maria José, Faculdade Juscelino Kubitschek, Faculdade Michelangelo, Faculdade Multieducativa, Faculdade Projeção, Faculdade Santa Terezinha, Faculdade Serrana de Ensino Superior, Estudos Universitários Regionais Brasileiros (Eurobras), Faculdades Integradas da Terra de Brasília (FTB), Faculdades Integradas da União de Ensino Superior Certo (Unicerto), Instituto de Ciências Exatas e de Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (Uneb), Instituto de Educação e Ensino Superior de Samambaia (Iesa), Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb), Instituto de Ensino Superior do Centro Oeste (Iesco), Instituto de Ensino Superior Planalto (Iesplan), Instituto Superior de Educação Albert Einstein, Faculdade de Comunicação Social JK, Instituto Superior de Educação ISE-Icesp

Nota 1
Faculdade LS, Faculdades Integradas Unicesp (Facicesp)

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Thania Priscila Bonifacio
E o índice das faculdades particulares de Brasília só tende a aumentar, e as da UnB a diminuir. A começar pela falta de vergonha do sistema de cotas, que "abaixa" a nota mínima necessárioa para os índios e os negros. Com isso muitos universitários de potencial acabam preferindo a faculdade particu | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.