Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Legalização da maconha no Uruguai não deve alterar segurança na fronteira A afirmação é do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. "É uma área que o Brasil está cuidando, independente das políticas adotadas em qualquer país de nossa fronteira", disse Cardozo

Agência Brasil

Publicação: 11/12/2013 16:31 Atualização:

 (José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça)
Ao comentar a legalização da maconha no Uruguai, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quarta-feira (11/12) que não serão necessárias novas medidas para garantir a segurança na fronteira do país com o Brasil. “O nosso plano de fronteiras já tem êxitos indiscutíveis do ponto de vista de apreensão e fiscalização. É uma área que o Brasil está cuidando, independente das políticas adotadas em qualquer país de nossa fronteira”, disse o ministro.

Cardoso disse ainda que cada país segue sua dinâmica nas discussões sobre a legalização da droga. “O Uruguai está seguindo este caminho e o Brasil segue o seu. Isso tem que ser respeitado. A discussão continua na sociedade, existe a experiência em vários países e os governos vão avaliando e participando dos debates para tomar as medidas que acharem necessárias”, disse o ministro no lançamento do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas, o Sinesp.

Sobre os recentes episódios de violência na Arena Joinville, Cardozo contou que vai se reunir amanhã (12) com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, para discutir uma política unificada de segurança nos estádios brasileiros. Para ele o que aconteceu no sábado (8) é inaceitável. “É possível adotar experiências da Copa das Confederações, a serem implementadas nos estádios de forma permanente”, disse o ministro.

Leia mais notícias em Brasil

Segundo Cardozo, o plano de segurança para Copa do Mundo já foi testado na Copa das Confederações e está dentro das regras e dos padrões de eficiência da Fifa. Na reunião de amanhã serão discutidos apenas aspectos envolvendo os jogos dos campeonatos nacionais e estaduais, a definição dos papéis dos envolvidos – clubes, torcidas organizadas, prefeitura – e as alternativas para coibir a violência entre as torcidas nos estádios. “O que aconteceu em Joinville é repugnante e o Estado brasileiro não pode ficar omisso diante disso”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.