Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ministério do Trabalho libera cinco guindastes no estádio do Corinthians Os demais guindastes deverão passar por manutenção, pois estão com pequenos problemas, como painel queimado

Agência Brasil

Publicação: 11/12/2013 19:06 Atualização:

O Ministério do Trabalho liberou nesta quarta-feira (11/12) cinco dos oito guindastes que estavam interditados na obra do estádio do Corinthians desde o final do mês passado, depois do acidente que envolveu outra máquina e matou dois operários. Os demais guindastes deverão passar por manutenção, pois estão com pequenos problemas, como painel queimado. Dois engenheiros contratados pelo ministério são responsáveis pelas inspeções.

Segundo o superintendente regional do ministério em São Paulo, Luis Antonio Medeiros, a Odebrecht, construtora responsável pela obra, providenciará o conserto até o início da semana que vem. “Nós ainda precisamos autorizar a empresa a retirar o guindaste que caiu. A Odebrecht quer removê-lo de lá para colocar no seu pátio. Na minha opinião, não há nenhum problema em autorizarmos isso”. A permissão deve ser dada no início da próxima semana", disse Medeiros.

Além disso, o governo e a construtora assinaram um acordo para reduzir a quantidade de horas extras feitas pelos operários, que de acordo com o superintendente, chega a quatro a mais por dia. “Esse excesso de horas extras causa estresse no funcionário”.

Leia mais notícias em Brasil

O superintendente informou ontem que o operador do guindaste, que tombou no último dia 27, estava trabalhando há 18 dias seguidos. O operador é funcionário da Locar Guindastes e Transportes Especiais, empresa contratada pela Odebrecht para operar esse tipo de equipamento. Em nota divulgada hoje, a Locar diz que o operador não estava trabalhando sem folgas. "No domingo, que antecedeu ao acidente, foi seu último dia de folga. A Locar reafirma que está colaborando com as autoridades no esclarecimento das causas do acidente", informa a empresa.

Medeiros explicou que a determinação do ministério é que os funcionários parem de fazer hora extra, e mais trabalhadores sejam contratados para suprir a necessidade. “A Odebrecht está fazendo o cálculo de quantas horas os operários fazem a mais e de quantos trabalhadores terá que contratar. Na semana que vem já devemos ter esse número”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.