Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rei do Brega universalizou a boemia e embaralhou dores e amores Nas brechas do preconceito, inverteu o rótulo de brega e se fez porta-voz de um gênero marginalizado

Publicação: 21/12/2013 12:51 Atualização: 21/12/2013 12:56

Tiago Barbosa
Diário de Pernambuco


A cadeira está vazia. A conta, encerrada. O copo, emborcado e saudoso do dono. O uísque com Coca-Cola repousa no passado. O garçom continua atento às lamúrias, a todas as confissões. Mas o silêncio prevalece. A voz do ídolo se calou. Reginaldo Rossi morreu. E a dor, tão cantada por ele em paixões, desamores, traições, abandonos e lamentos, agora serve à tristeza pela partida súbita do ídolo.

Pobre, de origem humilde, dono de uma cabeleira bem brasileira, Reginaldo Rossi reunia todos os aspectos desprezados por uma indústria do show businness ávida por sinais de perfeição. O sucesso conquistado de forma gradativa, no entanto, demoliu prováveis empecilhos à trajetória artística.

A performance no palco, as brincadeiras, músicas e referências sexuais sem pudores pavimentaram o apreço de públicos e artistas de gêneros musicais distintos. Querido do rock ao sertanejo, do forró ao mangue beat, ele arrastou da cozinha para a sala de estar o brega apedrejado publicamente, mas vivenciado às escuras nas noites, nos bares, na rotina por vezes indescritível. Sobre o palco, desfiou as metades da alma humana. As dores mais renegadas da traição, da desilusão, da saudade e da paixão bandida. Os sabores mais desejados dos amores, das conquistas, da beleza e da vida. Ignorou recortes e costumes. Quebrou barreiras sociais e econômicas. Entrelaçou ricos e pobres, mulheres e homens em torno de letras e composições. Foi o homem de chinelo no pé, na mansão ou no barraco.

Passeou por sentidos e sensações. Exaltou o Recife, encantou Itamaracá, decifrou a raposa, seduziu mon amour. O mundo visto e o sonegado, nas linguagens cabíveis ao sentimento. Universalizou a boemia, democratizou a roedeira, embaralhou dores e amores. Nas brechas do preconceito, inverteu o rótulo de brega e se fez porta-voz de um gênero marginalizado por cantar o que todos vivem. Abriu a camisa e as mentes, exibiu os pelos e as contradições entre gosto e discriminação, dispensou a meia dos sapatos e desnudou um Brasil doido para se ver e mostrar.

Foi rei da simplicidade. Descartou a intelectualidade da língua, preteriu construções rebuscadas, desprezou o afago à crítica. Falou o idioma do plebeu. Em inglês, francês, árabe, japonê, errado, torto e certo. Necessário. Tomou emprestadas expressões do cidadão comum, deu vida aos dilemas das massas, tornou poesias as desventuras de qualquer coração. Fez-se cara, história e sentimento do povo.

Mas os óculos escuros, parceiros de toda sorte, estão órfãos. No balcão, sobra o vazio. Palco e microfone se enchem de ausência, da partida sem hora para voltar. Os fãs, chifrados pela morte, encaram o gole amargo da despedida. E nem adianta lamentar. Rossi pediu a conta da vida. E, com muita saudade, todos nós vamos pagar.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.