Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Secretário diz que objetivo dos bandidos era queimar 20 ônibus em São Luiz Ainda segundo Aluísio Mendes, esse tipo de vandalismo está ocorrendo em todos os estados brasileiros coordenados, na maioria das vezes, por chefes de facções criminosas

O Imparcial

Publicação: 06/01/2014 12:41 Atualização: 06/01/2014 12:47

“O objetivo das facções criminosas era de atear fogo em pelos menos 20 coletivos na capital, matar policiais militares e a determinação partiu de dentro do presídio, mas, a polícia conseguiu impedir essa ação criminal”, afirmou o secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, de domingo (5), durante coletiva na sede da secretaria, na Vila Palmeira.

Ainda foram apresentados para a imprensa os dez suspeitos (oito maiores e dois menores de idade) de participarem dos ataques ocorridos, na noite da última sexta-feira (3), na Região Metropolitana de São Luís, que resultou na destruição de quatro coletivos, atentado a delegacia do São Francisco, tentativa de homicídio de cinco pessoas e a morte do sargento reformado da Polícia Militar, Antônio César Serejo.

Secretário de segurança afirmou que a ordem para praticar os ataques partiu do presídio  (Carlos Geromy/OIMP/DA Press)
Secretário de segurança afirmou que a ordem para praticar os ataques partiu do presídio


Liberdade
Ainda foi registrado, na noite de sábado (4), mais um ataque à delegacia. Desta vez o alvo foi o 8º Distrito Policial, na Liberdade. A viatura e a porta da frente foram alvejadas a tiros. Aluísio Mendes relatou que esse fato foi em conseqüência da prisão de Hilton Araújo e, na manhã de domingo, os acusados a essa ação foram presos pelo Batalhão de Choque, identificados como Bruno Airton Carneiro, de 19 anos, e o outro é adolescente. Ambos foram apresentados no Plantão de Polícia Civil da Beira–Mar.

Suspeitos presos

Estão detidos e vão responder por ato de vandalismo o coordenador dessa ação, Hilton John Alves Araújo, 27 anos, “Praguinha”; Jorge Henrique Amorim Martins, de 21 anos, “Dragão”, Wilderley Moraes, 25 anos, “Paikan”; Diego da Silva do Carmo, 20 anos, “Mocozinho”; Francisco Antônio Lobato Júnior, 26 anos, “Frazão”; Rogenilson Boaventura Brito, 22 anos, “Pelado”; Luis Gustavo do Nascimento, 18 anos, “Melônio” ou “Gustavo”; Ismael Caldas de Sousa, 25 anos, “Piranha”.

Aluísio Mendes informou também que a prisão desses suspeitos foi um trabalho feito por todo o sistema de Segurança Pública. Também deixou claro que tinham a ciência desde as 17h de sexta-feira que os criminosos das facções, principalmente, os internos estavam revoltados com a presença da polícia dentro dos presídios e realizariam a qualquer momento uma ação de terror na cidade. Desde esse momento, foi montado um trabalho de policiamento e reforçado o policiamento ostensivo nos quatro cantos da ilha.

Mesmo com todo esse aparato policial na rua, eles ainda atearam fogo nos coletivos, atiraram nos traillers da PM, no 9º Distrito Policial, no São Francisco e deixaram vítimas sendo três adultos (Abiançy Silva Santos, de 35 anos; Márcio Ronny da Cruz Nunes, de 37 anos; e Juliane Carvalho Santos, de 22 anos) e duas crianças internadas em estado delicados no hospital.

Ainda segundo o secretário, esse tipo de vandalismo está ocorrendo em todos os estados brasileiros coordenados, na maioria das vezes, por chefes de facções criminosas, que mesmo presos conseguem articular as ações criminosas.

Delegacia em Pedrinhas
A partir de segunda-feira (6), será instalada uma delegacia dentro de Complexo de Pedrinhas, que funcionará por 24 horas.

Esse distrito tem como objetivo agilizar as ocorrências que ocorrem nas casas de detenções da capital, inclusive, de processos. Além disso, está funcionando um sistema de bloqueador de celulares, mas de forma experimental e outros estados como Rio de Janeiro e São Paulo já usam com resultados bem positivos.

Em relação à morte do sargento César, que ocorreu na Vila Nova República, o secretário frisou que foi vítima de latrocínio, pois, os acusados queiram levar a arma do militar. Até o momento, ninguém foi preso.

Sem coletivo
As pessoas que precisaram de coletivos pela cidade durante o fim de semana, no período da noite, ficaram prejudicadas. Pois por volta das 18h toda a frota foi recolhida para os pátios das empresas.

Muitos motoristas e cobradores estavam com medo de trabalhar devido à onda de violência. Segundo Antônia Veras, de 34 anos, que trabalha como cobradora, disse que somente no ano passado foi assaltada cinco vezes e ainda presenciou um passageiro ser esfaqueado por um bandido.

Já o outro companheiro de serviço, Douglas Silva, de 29 anos, lembrou que foi vítima de assaltantes três vezes em 2013 e, neste ano já passou pelo mesmo crime, só que no bairro da Liberdade. “Iremos cruzar os braços enquanto não proporcionarem segurança para a nossa classe”, garantiu.

O secretário Aluísio Mendes confirmou que o policiamento está garantido para que não haja mais depredação a coletivos na capital e os inúmeros assaltos. “Convidamos o sindicato dos rodoviários, a Prefeitura, a SMTT, o Set para uma reunião, no sábado, para tratar sobre a segurança no transporte coletivo. A segurança está garantida, porém, a classe tomou a atitude de suspender a circulação dos ônibus no período da noite e isso acaba prejudicando a população”, comentou.

Está marcada para a manhã de segunda-feira (6), uma reunião, na Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), no Maranhão Novo, com o secretário da pasta, Carlos Rogério; direção do Sindicato dos Rodoviários e representantes do Sindicato das Empresas de Transportes de São Luís (Set) para discutir a situação da circulação dos ônibus na cidade.

Insegurança
Apesar da Polícia Militar, Civil e as aeronaves do Grupo Tático Aéreo realizar operações durante todo o fim de semana, a população estava com receio de transitar pela cidade.

Muitos bares e programações culturais foram canceladas. “Não abrir o meu bar, na noite de sábado, domingo e vai continuar fechado, pois estou com medo com essa onda de terror”, declarou Ana Maria Silva, de 56 anos, proprietária de um bar, no bairro da Liberdade.

O outro comerciante, Antônio Nunes, de 49 anos, morador do Monte Castelo, disse que está com o seu estabelecimento comercial fechado desde sábado pela manhã e vai abrir apenas na segunda-feira (6). “Vou ver primeiramente o trabalho da polícia para depois começar a trabalhar de novo, mas quero segurança”.

Suspeitos da ação de terror
Hilton Jhon Alves Araújo: coordenou de fora do presídio toda ação criminosa, 27 anos, conhecido como “Praguinha”, condenado à 20 anos em regime fechado, por crime de homicídio. Esteve foragido no ano de 2012, quando recebeu da Justiça o benefício de saída temporária de Natal e não retornou à Penitenciária de Pedrinhas. A polícia conseguiu prender Hilton Araújo novamente em janeiro de 2013, mas em outubro passado a Justiça concedeu a ele, mais uma vez, a liberdade - deu ordem de soltura por considerar que havia decurso de prazo (morosidade) no recurso interposto contra sua condenação.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.