Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Maranhão tem índices baixos de educação, saneamento e qualidade de vida Estado também é refém de extrema violência e descontrole governamental no sistema penitenciário

Étore Medeiros

Publicação: 08/01/2014 06:03 Atualização: 08/01/2014 08:46

Ontem, familiares e amigos se despediram de Ana Clara, vítima dos ataques a ônibus na última sexta-feira (Karlos Geromy/OIMP/D.A Press)
Ontem, familiares e amigos se despediram de Ana Clara, vítima dos ataques a ônibus na última sexta-feira

 

Os 60 assassinatos de 2013 no Complexo Penitenciário de Pedrinhas — somados aos dois já consumados em 2014 — escancararam as condições subhumanas de sobrevivência no presídio superlotado. Com os episódios da última sexta-feira, quando atos de vandalismo vitimaram uma menina de 6 anos e deixaram outros quatro hospitalizados, a questão saiu de Pedrinhas e aterrorizou os maranhenses. Submetida às condições de vida de um estado que frequenta assiduamente as piores posições em rankings de desenvolvimento humano e social (veja quadros), a população também perdeu parcialmente o direito de ir e vir — muitos motoristas de ônibus e cobradores têm se recusado a trafegar durante à noite, com medo de ataques incendiários.

Leia mais notícias em Brasil

O deputado estadual César Pires (DEM) garante que a governadora Roseana Sarney tem escutado “sem vaidade” a todos que possam contribuir para resolver o caos em Pedrinhas. O líder do governo na Assembleia Estadual do Maranhão diz que não se fala em outra coisa no Executivo ou no Legislativo estaduais, deixando de lado até mesmo discussões sobre as eleições de outubro. Para o padre Elisvaldo Cardoso, coordenador da Pastoral Carcerária no Maranhão, no entanto, a situação só se resolverá com mudanças profundas e estruturais, que envolvem muito mais do que o sistema carcerário. “Dar um basta à violência dentro dos presídios não significa só ter mais cadeias, mas também mais salas de aula, professores valorizados, crianças e jovens estudando e se profissionalizando. Aí sim, vamos diminuir, com certeza, o número de presos.”

“O problema da segurança pública envolve várias nuances. Não tem como fugir disso”, admite Pires. O ex-reitor da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) pondera, no entanto, que “esse upgrade social demora”. “A evolução das coisas está acontecendo. Poderia estar melhor, mas não posso dizer que há inação do governo”. De acordo com ele, o estado tem conseguido “colocar os alunos na sala de aula”, mas a dívida é grande. “Se formos conceituar a importância da educação, teríamos que remontar à construção da historiografia nacional. Pagamos o preço disso”, analisa. O parlamentar acredita que a ignorância também contribui para que as pessoas não melhorem de vida. “A sociedade, por não ter conhecimento, não sente a dor do analfabetismo. Para um pai, é mais fácil que o filho renda R$ 180 por semana como ajudante de pedreiro, do que um filho estudando e, 15 anos depois, se formando.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Flavio Brauna
Mas ele, o povo do maranhão, tem a família Sarney. | Denuncie |

Autor: Yandara Pajaú
A "família" Sarney, nunca fez nada pelo Maranhão, e não é por falta de verba!!! O povo tem que acordar e dizer fora Roseane, fora família Sarney!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas