Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

CDDPH pede providências ao governo maranhense sobre ações violentas O texto pede medidas para o fim da violência nos presídios do estado e a apuração e responsabilização dos atos que levaram à morte de uma menina

Agência Brasil

Publicação: 09/01/2014 21:05 Atualização:

Em declaração pública divulgada nesta quinta-feira (9/1), após reunião, o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) pediu providências ao governo do Maranhão e ao governo federal na apuração das ações violentas ocorridas no estado, sobretudo no presídio de Pedrinhas.

O texto pede medidas para o fim da violência nos presídios do estado e a apuração e responsabilização dos atos que levaram à morte da menina Ana Clara Santos, vítima de um ataque a um ônibus na capital do estado, bem como dos homicídios dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Leia mais notícias em Brasil

O Conselho também recomendou que os meios de comunicação “utilizem padrões éticos na divulgação dos fatos, em especial das imagens veiculadas”, referindo-se à divulgação de vídeos de presos mortos dentro do presídio e pediu celeridade na formação do Comitê e do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à tortura.

“O CDDPH faz um chamamento à sociedade civil, a todos os poderes e às esferas de governo para a firme tomada de iniciativas em prol do enfrentamento às graves violações de direitos humanos no interior do sistema prisional brasileiro”, diz o documento. A reunião foi presidida pela Ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Maria do Rosário. Ela disse que não falaria pelo governo e que essa tarefa ficaria a cargo do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, após reunião, no Maranhão, com a governadora do estado, Roseana Sarney.

A ministra, no entanto, reforçou o desejo do conselho de atuar na solução da crise. “A declaração significa uma vontade de participação [do CDDPH] na busca de soluções. Sabemos que é difícil para um único ente federativo ter todas as soluções”. Maria do Rosário já havia se manifestado publicamente sobre o caso na última terça-feira (7/1), repudiando os atos de violência no Maranhão.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas