Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cidades brasileiras sofrem com falta de espaços para diversão e lazer Os rolezinhos de jovens das periferias chamaram a atenção para a falta de estrutura de lazer no Brasil

Étore Medeiros

Leandro Kleber

Publicação: 19/01/2014 08:00 Atualização: 19/01/2014 09:05

Centro de Artes e Esportes Unificados de Joinville (SC) em fase final de construção: 291 obras em andamento (Ministério da Cultura/Divulgação)
Centro de Artes e Esportes Unificados de Joinville (SC) em fase final de construção: 291 obras em andamento

O fenômeno dos rolezinhos ganhou repercussão nacional em dezembro do ano passado, quando milhares de jovens promoveram encontros em shopping centers de São Paulo para passear, fazer compras e flertar. Rejeitados por lojistas e clientes e tratados como caso de polícia, os adolescentes paulistanos não só despertaram um debate nacional sobre segregação racial e social, mas também chamaram a atenção para a ausência de espaços de convivência, lazer e cultura nas periferias das metrópoles brasileiras. Um dos principais programas do Ministério da Cultura — o Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs) — foi lançado em 2010 como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2). Ao todo, a iniciativa pretende erguer 356 espaços com praça de esportes e lazer, biblioteca, cineteatro, pista de skate, playground, entre outros itens. Mesmo que todos os CEUs sejam entregues até 2014, conforme prometido, seriam contemplados apenas 6,4% dos municípios brasileiros. Mantido o ritmo, o programa só atingiria a totalidade das cidades brasileiras em 60 anos.

Dos R$ 861,7 milhões previstos para os CEUs, somente R$ 332,2 milhões (39%) foram efetivamente liberados. Vinte das 356 obras listadas foram concluídas, enquanto 45 nem sequer foram iniciadas. Um ritmo mais lento que o necessário, considerando a precariedade de oferta de espaços de entretenimento e cultura. Apenas uma em cada quatro cidades têm livraria, museu ou teatro. Os shopping centers, que protagonizaram os rolezinhos, estão em apenas 6,2% dos municípios. Os dados são da Pesquisa de Informações Básicas Municipais 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As políticas públicas voltadas ao público jovem são diluídas no orçamento federal em praticamente todos os ministérios. No ano passado, mais de R$ 75 bilhões foram destinados aos menores de 18 anos, faixa etária da maioria dos rolezeiros. O dado é do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), que monitora ações previstas no orçamento federal que afetam diretamente a qualidade de vida e o desenvolvimento das crianças e adolescentes brasileiros. O montante é o maior já registrado no governo da presidente Dilma Rousseff, mas o percentual em relação ao total previsto a ser executado foi o menor.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas