Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Goleiro Bruno perde parte dos dias trabalhados após confusão em presídio A data-base para a obtenção da progressão de regime, no entanto, não será alterada

Alessandra Alves

Publicação: 23/01/2014 13:29 Atualização: 23/01/2014 13:34

Em abril de 2013, Bruno foi acusado de ameaçar dois detentos e um agente penitenciário, depois do grupo emitir comentários sobre sua noiva (Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Em abril de 2013, Bruno foi acusado de ameaçar dois detentos e um agente penitenciário, depois do grupo emitir comentários sobre sua noiva


A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), publicou, na tarde dessa quarta-feira (22/1), a perda de um terço dos dias remidos do ex-goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, acusado pela morte da ex-companheira Eliza Samúdio. Com a decisão, o ex-goleiro não poderá reverter todos os dias de trabalho em diminuição da pena. Segundo a legislação brasileira, a cada três dias de trabalho, a pena pode ser reduzida em um dia. No caso de Bruno, a perda do benefício foi em razão de uma confusão protagonizada por ele na Penitenciária Nelson Hungria, em abril de 2013.

Bruno foi acusado de ameaçar dois detentos e um agente penitenciário, depois do grupo emitir comentários sobre sua noiva. Por causa da confusão dentro do presídio, o goleiro ficou sem o direito a banho de sol por 30 dias, foi proibido de receber visitas, sair da cela e trabalhar. Em agosto, durante audiência sobre a confusão, ele foi ouvido e negou todas as acusações, mas o juiz Wagner de Oliveira Cavalieri não se convenceu, e determinou recontagem da progressão, além da perda de 1/3 dos dias remidos.

Leia mais notícias em Mundo

Nesta quarta, o TJMG julgou procedente apenas parte do agravo, não alterando a data-base para obtenção da progressão de regime. Assim, a previsão continua sendo a de que o ex-goleiro passe a ter direito a sair da prisão durante o dia e retornar à noite a partir de 22 de janeiro de 2020. Segundo o desembargador Doorgal Andrada, relator do recurso,"a lei não prevê, como efeito do reconhecimento da falta grave, a alteração da data-base para a obtenção da progressão de regime". Já o advogado do goleiro, Dr. Francisco Simim, afirmou que o direito adquirido do preso não pode ser retirado. Ele declarou que o processo está em aberto e que eles poderão recorrer em Brasília.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Floriano Lott
Ele tem um crime hediondo e outros não hediondos. No hediondo ele não abate nada; nos não hediondos é que ele tem a dita "graça", que é o benefício. Explique-se. | Denuncie |

Autor: Luiz Campos
Bom seria que esse assassino nunca mais saísse da cadeia! jogar bola, ele não jogará mais, pois quando vier a ser liberto da prisão já estará velho. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.