Brasil
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ministério Público vai investigar ação da Polícia Civil na Cracolândia O programa acolhe dependentes químicos em hotéis da região central e oferece uma bolsa para que eles trabalhem no serviço de limpeza de ruas, calçadas e praças no centro da cidade

Agência Brasil

Publicação: 25/01/2014 16:53 Atualização:

O Ministério Público paulista instaurou inquérito para apurar se houve excessos na ação da Polícia Civil na região da Cracolândia, ocorrida na última quinta-feira (23). Agentes do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc) usaram bombas de gás lacrimogêneo contra os usuários de drogas, provocando correria nas ruas do centro, onde eles estavam aglomerados. Cerca de 30 pessoas foram presas, das quais quatro, segundo a polícia, são acusadas de tráfico de drogas.

Os promotores consideram que deve ser estendida para a Polícia Civil a decisão judicial que proibiu a Polícia Militar (PM) de empregar ações “vexatórias, degradantes ou desrespeitosas” contra os dependentes. A medida foi resultado de outra ação do Ministério Público que questionava a operação conjunta da gestão anterior da prefeitura e do governo estadual. No início de 2012, a PM tentou retirar os dependentes das ruas do centro paulistano.



A prefeitura de São Paulo avaliou que a ação do Denarc poderia comprometer o Programa Braços Abertos, lançado no dia 14, para atender a dependentes químicos da região. “A prefeitura repudia esse tipo de intervenção, que fez uso de balas de borracha e bombas de efeito moral contra uma multidão formada por trabalhadores, agentes públicos de saúde e assistência e pessoas em situação de rua, miséria, exclusão social e grave dependência química”, ressalta o comunicado.

O programa acolhe dependentes químicos em hotéis da região central e oferece uma bolsa para que eles trabalhem no serviço de limpeza de ruas, calçadas e praças no centro da cidade. Cada usuário recebe um salário mínimo e meio, que inclui os gastos com alimentação, hospedagem, além de R$ 15 por dia de trabalho. Os dependentes foram retirados da favela instalada na Alameda Dino Bueno.

Leia mais notícias em Brasil

Para a diretora do Denarc, Elaine Biasoli, a operação ocorreu dentro da legalidade. Ela relatou que os policiais, com viatura descaracterizada e à paisana, foram à Cracolândia para prender um traficante, mas foram recebidos com agressão. “Foram recebidos a pauladas, quebraram a viatura, feriram o policial, aí foi pedido reforço. E nós mandamos o reforço para concretizar a prisão”, disse.

*Com informações da TV Brasil

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: RUBESON CARDOSO
Manda os promotores irem lá resolver o problema pessoalmente. O Governo finge resolver a situação com medidas eleitoreiras e a sociedade é que sofre com os altos índices de criminalidade. | Denuncie |

Autor: Fábio Leal
Não acredito no que estou lendo, não acredito mesmo! | Denuncie |

Autor: Gustavo Gustavo
PARABÉNS AO POLICIAIS!! Tratar dependente químico como vítima da sociedade é um incentivo ao crime. Todo cidadão honesto tem oportunidade na vida. O usuário teve e não aproveitou. Agora Eu que tenho que pagar por isso??? REPÚDIO TOTAL ÀS DROGAS!!! TEM QUE PRENDER MESMO!!!! | Denuncie |

Autor: Jose Claudio Oliveira Filho
O que o MP de SP quer é o caos. Preferem ver a cidade entregue ao um bando de desocupados e traficantes. Isto é coisa de gente que não pensa no coletivo, mas sim numa minoria que só quer atrapalhar a vida de gente honesta que trabalha e produz alguma renda para o estado. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.