Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tempo é fundamental para recuperação de parentes das vítimas da boate Kiss Após a tragédia, foi criado o Centro Integrado de Atenção às Vítimas de Acidente (Ciava). O núcleo funciona no Hospital Universitário de Santa Maria e foi instalado por uma parceria entre as esferas federal, estadual e municipal

Agência Brasil

Publicação: 26/01/2014 10:39 Atualização:

O professor de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul e coordenador adjunto do Núcleo de Pesquisa em Trauma e Estresse, Christian Kristensen, foi uma das dezenas de pessoas que ajudaram no resgate dos jovens que estavam, no dia 27 de janeiro de 2013, na Boate Kiss. Para ele, o tempo é fundamental na recuperação psicológica não só das vítimas como, também, da população que foi impactada pela dimensão da tragédia.

A seu ver a lembrança sempre estará presente. Os dois primeiros meses após um acidente como o que ocorreu na Kiss, o esperado é que os sobreviventes consigam retomar à rotina.



Kristensen também é responsável pelo treinamento de profissionais para promover a atenção à saúde mental. O professor explicou que, no caso em questão, no primeiro momento a preocupação maior foi com as condições físicas das pessoas, sem deixar de lado o aspecto emocional.

Hoje, ao comentar o trabalho, ele destacou que “o normal é sentir tristeza, mas aos poucos ir se recuperando”. O professor acrescentou que “se isso não está acontecendo, é preciso buscar ajuda especializada”. Ele ponderou que existem casos que a pessoa não percebe que está tão mal. “Não digo que tem que ficar feliz, mas a vida tem que seguir seu curso”.

Leia mais notícias em Brasil

Após a tragédia, foi criado o Centro Integrado de Atenção às Vítimas de Acidente (Ciava). O núcleo funciona no Hospital Universitário de Santa Maria e foi instalado por uma parceria entre as esferas federal, estadual e municipal. No local, uma equipe multiprofissional desenvolve o trabalho de acolhimento e atenção básica dos sobreviventes.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: João Neto
Foi lamentável essa tragédia, que ceifou a vida de 242 pessoas! Falaram que a legislação era falha, que não se podia soltar sinalizadores no interior da boate; que o extintor não funcionou; que o material produzia gases tóxicos na queima! Mas se tivessem cumprido a NBR 9077, a história seria outra! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas