Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Espaços ociosos podem ser alternativa para rolezinhos, defende empresário A sugestão foi feita nesta quarta em reunião com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho

Agência Brasil

Publicação: 29/01/2014 14:21 Atualização:

A destinação de espaços públicos ociosos para o encontro de jovens pode ser uma alternativa para dar fim aos chamados rolezinhos. A sugestão foi dada pelo presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Shahyoun, e por um grupo de empresários ao ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, durante reunião nesta quarta-feira (29/1) no Palácio do Planalto.

“A gente sugeriu para o governo federal que pudesse nos apoiar no sentido de fortalecer com todas as prefeituras e os governos dos estados a busca por áreas que estão desativadas. Existem muitas áreas ociosas, existem hoje muitos espaços públicos que podem ser aproveitados por essa juventude, por esses adolescentes”, disse o presidente da Alshop.

Nabil Shahyoun deu como exemplo o sambódromo de São Paulo que, segundo ele, praticamente só é utilizado duas vezes por ano: no carnaval e durante a Fórmula Indy. O empresário disse ainda que a grande preocupação dos shoppings é que “esses jovens não entrem em grupos muito grandes”. Até que os governos definam os espaços que serão usados e montem uma programação para entreter esse público, em caso de organização de grandes concentrações em redes sociais, os shoppings devem continuar fechando as portas, em nome da segurança de clientes, defendeu Shahyoun.

“Se a gente continuar tendo essas convocações, os shoppings vão continuar fechando porque a coisa mais importante para os empreendimentos é a segurança que a gente não pode abrir mão”, ressaltou o presidente da Alshop que estima que, em 30 dias, o prejuízo no faturamento foi de aproximadamente 25%.

Leia mais notícias em Brasil

Na avaliação do presidente da União Geral do Trabalhadores (UGT) , Ricardo Patah, tanto a Polícia Militar quanto os seguranças dos shoppings precisam de capacitação. “Tanto a PolÍcia Militar do Brasil quanto os próprios seguranças dos shoppings não estão capacitados para esse tipo de atividade. A nossa sugestão é capacitá-los para vivenciar esse novo momento que o Brasil está vivendo."

Para ele, que é contra o fechamento dos shoppings, o movimento vai diminuir naturalmente com a volta às aulas. Patah disse ainda que o fechamento de alguns shoppings foi precipitado o que prejudicou a sociedade e os trabalhadores que deixaram de ganhar suas comissões.

Também participaram da reunião no Palácio do Planalto, as ministras Marta Suplicy (Cultura), Luiza Bairros (Igualdade Racial), a secretária nacional da Juventude, Severine Macedo, a presidenta da Associação Brasileira de Franchising, Maria Cristina Franco, o diretor do Shopping Ibirapuera, Vidal Ritvo Veicer, o representante da Rede de Shopping Centers Tenco, Eduardo Gribel, e o presidente da Puket, Cláudio Bobrow. O grupo deve voltar a se reunir para uma nova avaliação em 20 dias.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.