Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cineasta Eduardo Coutinho é morto no Rio de Janeiro Ele teria sido esfaqueado pelo filho Daniel Coutinho. Caso está sendo investigado

Maíra de Deus Brito

Publicação: 02/02/2014 16:37 Atualização: 02/02/2014 21:58

 (Anderson Schineider/CB/D.A Press)

O cineasta Eduardo Coutinho, de 81 anos, foi assassinado a facadas neste domingo (2/2) dentro de casa no bairro da Lagoa, na zona sul do Rio Janeiro. O filho, Daniel Coutinho, que supostamente sofre de esquizofrenia, é o principal suspeito. Ele também seria o responsável por esfaquear a mãe e, em seguida, teria tentado se matar.

A mulher do cineasta foi internada em estado grave no Hospital Municipal Miguel Couto (Gávea, Zona Sul do Rio). O filho foi levado para o mesmo hospital, porém apresenta ferimentos menos graves.

Segundo informações preliminares, Daniel Cotinho,  ferido com duas facadas no abdomen, será preso quando deixar o hospital, onde permanece sob custódia da polícia. Não há previsão de alta. 

Leia mais notícias em Brasil


Com mais de quatro décadas de carreira, Eduardo Coutinho era um dos principais diretores brasileiros. Ele comandou os filmes As canções (2011), Jogo de cena (2007), Edifício Master (2002), Santo forte (1999) e Cabra marcado para morrer (1985), projeto de ficção interrompido pela ditadura militar, retomado 20 anos depois.

Confira depoimento do cineasta Evaldo Mocarzel:

Estou em choque. Ao lado de Wladimir Carvalho, João Batista de Andrade e Sérgio Muniz, Eduardo Coutinho formava uma espécie de quarteto seminal do documentário brasileiro. Nem sei mais o que dizer. Uma perda imensa, com um triste fim de tragédia grega ou shakespeariana. Felizmente, a arte preserva a vida, sobretudo o cinema, com sua “eternidade material”, como diria o grande crítico André Bazin. E Coutinho permanecerá vivo para sempre nos seus filmes, dentro e fora de quadro.

 

 


Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Valeria Araujo
Tem que ter trailers dos filmes do Eduardo Coutinho aqui, assim como na matéria sobre a morte do ator Philip Seymour. Vamos valorizar o cinema nacional, já que nesse caso é merecido. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas