Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sindicato dos Jornalistas culpa Estado pela agressão a cinegrafista no Rio A situação do repórter cinematográfico é grave, ele passou por cirurgia e permanece internado

Agência Brasil

Publicação: 07/02/2014 13:49 Atualização:

O Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro responsabilizou nesta sexta-feira (7/2) o Estado por omissão no caso da agressão ao repórter cinematográfico da TV Bandeirantes Santiago Idílio Andrade. Ele foi atingido na quinta-feira (6/2) por um artefato explosivo, enquanto fazia a cobertura de um protesto no centro do Rio. A situação do cinegrafista é grave, ele passou por cirurgia e permanece internado.

Policiamento é reforçado por causa de protesto contra aumento de passagem na Central do Brasil, no Rio de Janeiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Policiamento é reforçado por causa de protesto contra aumento de passagem na Central do Brasil, no Rio de Janeiro

As últimas imagens de Santiago na manifestação, capturadas pela BBC Brasil, mostram que o cinegrafista estava sozinho e não usava equipamentos de segurança. Para a presidente do sindicato, Paula Mairán, embora a emissora tenha que ser responsabilizada pelo ocorrido, é tarefa do Estado fiscalizar os canais de TV, que são serviços públicos, e assegurar a proteção aos jornalistas.

“Estamos, desde o ano passado, apontando a falta de políticas públicas para garantir o exercício do jornalismo em segurança. Entre elas, a responsabilidade da autoridade de segurança pública e das empresas”, disse. Segundo Paula, jornalistas continuam sendo enviados às ruas sem equipamentos de proteção e em condições de vulnerabilidade. “A Bandeirantes explora uma concessão pública que deve ser fiscalizada pelo Estado. Mesmo que a responsabilidade seja, em primeiro lugar, da empresa”, completou Paula.

Leia mais notícias em Brasil

A presidente do sindicato lembrou que, desde 2013, o sindicato denuncia agressão a jornalistas em protestos e identificou 49 vítimas. Um documento com todos os casos chamando atenção para o problema foi entregue aos órgãos legislativos e à Secretaria de Segurança Pública do Rio, uma vez que boa parte dos agressores é formada por policiais.

Paula Mairán revela também a dificuldade de obrigar as empresas a fornecer equipamentos de segurança aos jornalistas e conta que as emissoras querem retirar esse item do contrato de trabalho. “A conjuntura nos prova que, em vez de retirar, nós temos que aprimorar as cláusulas de segurança”, declarou a presidente do sindicato.

A Agência Brasil não conseguiu entrar em contato com o Sindicato das Empresas da Radiodifusão do Estado para comentar as negociações. Já o Grupo Bandeirantes não se pronunciou sobre as críticas do sindicato. A Polícia Civil investiga a agressão a Santiago e deve solicitar imagens de outras emissoras. A Polícia Militar não se pronunciou sobre o ocorrido. Parte das testemunhas do episódio dizem que o explosivo que atingiu o jornalista partiu dos policiais. Há ainda aqueles que afirmam que o artefato estava em poder dos manifestantes.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: luiz carlos souza
Lamentável o fato. Mas vi nestas manifestações muitos reportes em meio aos conflitos. Muitos de forma imprudente. Deveriam usar com IPI capacetes e coletes balísticos como os PM e nunca trabalharem sozinhos. Os empregadores deveriam ter culpa. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas