Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tocantins, no Norte, mostra atraso para imunização contra o HPV

Agência Brasil

Publicação: 09/02/2014 14:02 Atualização: 09/02/2014 14:32

O Tocantins é o único estado do Norte brasileiro que ainda não iniciou os preparativos para a vacinação contra o HPV. O processo está em fase bem inicial, disse à Agência Brasil a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde. As ações devem começar a partir da próxima semana.

A Campanha de Imunização contra o HPV na Região Norte começou no ano passado no Amazonas, informou a diretora-presidenta em exercício da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do estado, Rosemary Costa Pinto. “É uma campanha estadual, realizada com recursos do governo do estado para os 61 municípios do interior, e com recursos da prefeitura de Manaus para a capital”.

Rosemary observou que a campanha levou em conta a necessidade identificada pelo governo do Amazonas, de prevenir o mais cedo possível o câncer de colo de útero, uma vez que o estado é um dos que registram o maior número de mortes no país por esse tipo de câncer. “Em função disso, a nossa campanha começou antes que o Ministério da Saúde criasse a campanha nacional”. De acordo com estatística do Instituto Nacional do Câncer (Inca) de 2012, a taxa bruta de incidência para cada 100 mil habitantes no país era 17,49 casos, enquanto no Amazonas, esse número sobe para 35,15.

A Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas já aplicou duas doses da vacina e agora vai iniciar a terceira dose. “Essa campanha vai ser simultânea com a do Ministério da Saúde, que começa no dia 10 de março”. Todas as meninas que tomaram a primeira e a segunda doses da vacina deverão ser imunizadas agora.

Leia mais notícias em Brasil

Na campanha estadual, em 2013, foram vacinadas 103.350 meninas de 11 a 13 anos, obtendo-se cobertura de 95,4% do que foi programado. Na segunda campanha, foram aplicadas 97.778 doses da vacina contra o HPV, e a cobertura atingiu 94,7% da meta estabelecida. Rosemary acrescentou que a campanha nacional abrangerá também as meninas indígenas na faixa de 9 a 13 anos que, por algum motivo, não tomaram as duas primeiras doses da vacina. “Elas vão ser alcançadas agora”.

As equipes que aplicarão as vacinas já estão capacitadas integralmente, garantiu Rosemary. A campanha será feita em todas as escolas públicas e privadas. Ela lembrou que as meninas que não forem vacinadas nas escolas terão uma última oportunidade de se vacinar, “em um momento específico, nas unidades de saúde. Mas não vai ser rotina a vacinação em unidades de saúde. A vacinação vai ser nas escolas”, frisou.

A Coordenação Estadual de Imunização do Acre agendou para o próximo dia 12 reunião técnica conjunta com representantes da Secretaria de Educação, das secretarias municipais de Educação e de todas as áreas ligadas à Secretaria Estadual de Saúde, além do Centro de Referência do Câncer, visando a estabelecer a pauta de ações para a Campanha de Vacinação contra o HPV.

Segundo informou o coordenador de Imunização do Acre, Ivan Galvão, haverá um agendamento prévio de cada escola para a imunização. O levantamento feito pela Secretaria de Saúde do estado constatou que deverão ser vacinadas 38.250 meninas nas escolas públicas e particulares, na faixa de 11 a 13 anos, que formam o público-alvo da primeira dose da campanha. Após o encontro do dia 12, a responsabilidade pela vacinação será descentralizada pelas secretarias municipais de Saúde, disse Galvão. “O plano de ação já está pronto”.

No Acre, segundo informou o coordenador de Imunização, foram estabelecidas como prioridades para o lançamento da campanha a capital Rio Branco e os municípios de Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Sena Madureira.

A diretora de Vigilância Sanitária de Rondônia, Arlete Baldez, está participando diretamente de reuniões com escolas de todo o estado para divulgar a campanha de vacinação contra o HPV. “Nossa cartilha já está pronta e sendo distribuída”. Segundo Arlete, as equipes das secretarias estaduais de Saúde e Educação estão trabalhando para que a cobertura na imunização se aproxime de 100% da meta. “Nós não estamos pensando em 80% não. Queremos fazer uma boa campanha”. Na primeira fase, serão vacinadas 49 mil meninas entre 11 e 13 anos de idade.

A técnica da Coordenação de Atenção à Saúde do Adolescente da Secretaria Estadual de Saúde de Roraima, Maria Cruz, destacou que uma ação conjunta entre estado e municípios já está organizando a capacitação dos profissionais das duas áreas para a campanha. Levantamento feito pela coordenação constatou a existência de cerca de 25 mil adolescentes entre 11 e 13 anos em Roraima, das quais mais de 15 mil estão concentradas na capital, Boa Vista. Roraima tem 15 municípios.

No Pará, 144 municípios receberão a vacinação contra o HPV, informou a coordenadora estadual de Imunização, Jaíra Ataíde. A proposta de trabalho foi apresentada durante reunião com a presença de vários segmentos, entre eles os programas Saúde da Mulher e do Adolescente e Controle do Câncer, a Pastoral da Criança, o Conselho de Secretários Municipais de Saúde e a Secretaria Estadual de Educação.

A coordenadora destacou que o estado tem 13 regionais de Saúde com as quais está sendo discutida a necessidade de interação com as representações da Secretaria Estadual de Educação e com as lideranças das próprias cidades. O objetivo, segundo ela, é garantir a vacinação dessa faixa etária de 11, 12 e 13 anos. "Prioritariamente, a articulação é com a escola”. Caberá a cada município estabelecer o cronograma da vacinação e também para as meninas que estão fora da escola e em localidades afastadas do perímetro urbano.

Jaíra Ataíde observou que o maior desafio da campanha é garantir a segunda dose da vacina daqui a seis meses, em setembro, para que possa haver uma adesão forte dessa população. Destacou a necessidade de interação entre as equipes de saúde e as adolescentes, para que haja melhor acolhimento, visando “a atender à expectativa daquele momento, que é a questão da proteção das meninas, para termos as mulheres protegidas contra o câncer de colo de útero”.

O Pará já vem desenvolvendo ações direcionadas aos pais e responsáveis pelas adolescentes, diante do impacto de casos de mortalidade de mulheres. O objetivo é mostrar que é indispensável que, em uma ação de proteção, o estado esteja vacinando suas meninas. “É uma ação para o futuro, mas se faz necessária a participação dos pais para garantir a vacinação de suas meninas e a procura, principalmente, pela segunda dose da vacina”.

O Amapá está aguardando a chegada das vacinas que serão enviadas pelo Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos preparatórios à implantação da Campanha de Imunização contra o HPV. A coordenadora estadual de Imunização, Maria Angélica Lima, disse que a Secretaria de Saúde já está comunicando aos municípios a estratégia que deverá ser adotada.

Embora a primeira dose da vacina esteja programada para ser aplicada nas escolas públicas e privadas, Maria Angélica disse que serão reservadas algumas doses que ficarão nas unidades básicas de saúde para atender às adolescentes que, por alguma razão, não puderem ser imunizadas nas escolas onde estudam. Em todo o estado, a população estimada de meninas que serão vacinadas é 25 mil pessoas.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas