Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ministro cobra providências contra racismo no futebol sul-americano Nessa quarta-feira (12/2), Tinga, jogador do Cruzeiro, sofreu ofensas racistas da torcida do Real Garcilaso, durante partida válida pela Copa Libertadores da América, na cidade de Huancayo, no Peru

Agência Brasil

Publicação: 13/02/2014 18:48 Atualização: 13/02/2014 18:47

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, conversou nesta quinta-feira (13/2), por telefone, com o presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), Eugenio Figueredo Aguerra, e cobrou providências contra o racismo no futebol sul-americano.

Na noite de dessa quarta-feira (12/2), o jogador de futebol Tinga, do Cruzeiro, sofreu ofensas racistas da torcida do Real Garcilaso, durante partida válida pela Copa Libertadores da América, na cidade de Huancayo, no Peru. Torcedores imitavam sons de macacos quando Tinga tocava na bola. Em entrevista após o jogo, Tinga disse que nunca havia sofrido com o racismo, mesmo na época em que jogou na Europa, e lamentou ter passado por isso justamente em um país vizinho ao Brasil, com uma população miscigenada.

Leia mais notícias em Brasil

Aldo Rebelo também manifestou repúdio ao racismo em nota oficial no site do ministério. O ministro considerou “inconcebível” o ocorrido e prestou seu apoio a Tinga. “No ano em que o mundo inteiro se une para disseminar uma mensagem contra o preconceito durante a Copa do Mundo do Brasil, é inconcebível o comportamento que vimos em Huancayo. Tinga tem todo o nosso apoio na luta contra o racismo, que, esperamos, será combatido com firmeza pela Conmebol.”

Além do ministro, a presidente Dilma Rousseff, a Confederação Brasileira de Futebol e vários jogadores manifestaram publicamente repúdio às atitudes racistas no futebol e apoio ao jogador do Cruzeiro.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Nacelio Nacelio
Um fato lamentável como esse, mas não vai dar em nada, infelizmente! O Garcilasso deveria ser punido e eliminado da Libertadores. Seria uma punição exemplar. Sem punição, as coisas continuam como estão. A impunidade é o combustível para a violência, racismo, etc. Que a COMEBOL reaja a esse episódio. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas