Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mais Médicos: ministras recebem médica cubana que fugiu do programa Parlamentares queriam pedir para que seja acelerada a análise do pedido de refúgio de Ramona Matos Rodríguez

Publicação: 19/02/2014 06:03 Atualização:

Ramona fugiu do programa no início do mês por se sentir enganada (Iano Andrade/CB/D.A Press - 5/2/14)
Ramona fugiu do programa no início do mês por se sentir enganada

 

Deputados do DEM reuniram-se ontem com a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e a de políticas para as mulheres, Eleonora Menicucci, para pedir a revisão do contrato de trabalho dos profissionais cubanos no programa Mais Médicos. Participaram do encontro o líder do partido na Câmara, Mendonça Filho (PE), e os deputados Ronaldo Caiado (GO) e Mandetta (MS). Os parlamentares alegam que as informações divulgadas pela médica Ramona Matos Rodríguez, que fugiu da iniciativa, atestam as condições de exploração em que trabalham os profissionais da ilha caribenha. Pediram também que as ministras ajudem a acelerar a análise do pedido de refúgio da profissional.

Leia mais notícias em Brasil


Ao descobrir que outros estrangeiros do programa recebem R$ 10 mil, Ramona afirma ter sido enganada. Os cubanos ganham US$ 400 (cerca de R$ 950). De acordo com a médica, outros US$ 600 são depositados em uma conta em Cuba para ser acessada apenas quando ela voltar e US$ 50 podem ser movimentados pelos parentes. A cubana contou também que era vigiada e seus relacionamentos pessoais eram controlados por um colega de Cuba. “Há relatos de que a médica estava sendo submetida a um regime de semiescravidão, que não respeita o direito de ir e vir dos cubanos. Até relacionamento sexual e de caráter afetivo deve ser autorizado pelo governo de Cuba”, disse o líder do DEM na Câmara. Os parlamentares querem que as ministras intervenham na alteração do contrato dos profissionais. “Elas (ministras) devem empreender esforços no sentido de que o governo corrija os desacertos”, avaliou Mendonça.

Refúgio

A médica cubana fugiu de Pacajá (PA) em 1º de fevereiro para Brasília, onde foi acolhida por parlamentares do DEM. Ela pediu refúgio no Brasil e um visto à Embaixada dos Estados Unidos. Há cerca de 1,5 mil pedidos de refúgio na frente do dela e, de acordo com a legenda, as ministras se comprometeram a contribuir com a agilização do processo.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Daniel Santos
E isso não é novidade. Deve sim ser revisto como pode um profissional trabalhar e quem recebe e o governo do país dela? E o Brasil aceita esse tipo de escravidão? Depois vem gente dizer que os países tipo Cuba são uma maravilha, então vão para lá. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas