Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Situação dos ribeirinhos do Rio Madeira está controlada, após cheia recorde Governador do estado, Confúcio Aires Moura, sobrevoa nesta quarta-feira (19/2) a região da capital Porto Velho para analisar a situação

Agência Brasil

Publicação: 19/02/2014 15:16 Atualização:

A Defesa Civil de Rondônia concentra esforços para atender às famílias que foram retiradas de áreas alagadas pelo Rio Madeira. Na manhã desta quarta-feira (19/2), o rio atingiu a marca de 17,81 metros acima do nível normal. Segundo o governo do estado, mais de mil famílias estão sendo atendidas em abrigos improvisados, em escolas e igrejas.

O governador do estado, Confúcio Aires Moura, sobrevoa  nesta quarta-feira (19/2) a região da capital Porto Velho, mais afetada pela cheia, para analisar a situação e decidir, com o gabinete de gerenciamento de crise, as medidas que poderão ser adotadas para auxiliar a população.

A assessoria do governo informou ainda que o Corpo de Bombeiros encerrou a fase de retirada de pessoas das regiões afetadas e que já foi descartada a necessidade de pedir reforços a outros estados. O ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, viajou para Rondônia no último final de semana e colocou o governo federal à disposição para atender as demandas. Ainda hoje deve chegar ao estado o segundo carregamento de medicamentos enviado pelo Ministério da Saúde.

Leia mais notícias em Brasil

O trabalho da Defesa Civil agora é de recolher e distribuir doações de alimentos, cobertores e medicamentos. Também atuam nos alojamentos, equipes de psicólogos e assistentes sociais.

O governo do estado informa aínda que a Polícia Rodoviária Federal auxiliou na construção de um desvio da BR-364, entre Porto Velho e Ji-Paraná (RO), para que a capital não sofresse com o desabastecimento, já que a água havia invadido a pista.

A população aguarda agora que a água comece a baixar e que a situação seja normalizada. As chuvas nos rios da Bolívia que deságuam no Rio Madeira já diminuíram, no entanto, a expectativa é de que o impacto em Rondônia só ocorrerá daqui a cerca de seis dias.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas