Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Parte dos policiais civis do Paraná suspendem parte das atividades Entre as reivindicações dos policiais estão o aumento salarial, progressão funcional, concessão de promoções e a imediata contratação de 500 candidatos já aprovados em concurso público

Agência Brasil

Publicação: 20/02/2014 12:53 Atualização:

Até a meia-noite desta quinta-feira (20/2), o cidadão que for a qualquer delegacia de polícia do Paraná só será atendido caso a queixa seja considerada uma urgência. Isso porque parte dos policiais civis paralisaram parcialmente suas atividades por 24 horas, a partir da zero desta quinta-feira. Eles exigem do governo estadual aumento salarial, a transferência para presídios dos detentos que cumprem pena em delegacias, progressão funcional, concessão de promoções e a imediata contratação de 500 candidatos já aprovados em concurso público.


De acordo com o presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol), André Luiz Gutierrez, ao menos 70% da categoria aderiu à paralisação. Em seu site, o sindicato orientou os policiais em serviço a só atenderem flagrantes delitos, casos de homicídios e a guarda de presos. Já os que estão de folga foram convocados a comparecer às delegacias a fim de apoiar o movimento. O Sinclapol espera que agentes do interior viajem à capital, onde, às 14 horas, haverá uma assembleia para analisar e votar a proposta apresentada pelo governo estadual na noite dessa quarta-feira (19/2) .

Leia mais notícias em Brasil

Segundo Gutierrez, durante a reunião no Palácio Iguaçu, o governador Beto Richa sinalizou com o atendimento às reivindicações da categoria. Ele esclareceu que a primeira medida será esvaziar as delegacias, transferindo os presos já condenados para cadeias públicas. A remoção deve começar por Curitiba na próxima segunda-feira (24/2) e, até o fim da próxima semana, o governo apresentará um cronograma de transferência dos apenados que estão detidos em delegacias do interior do estado.

Gutierrez adiantou que, se as propostas de transferência de presos discutidas durante a reunião forem cumpridas, todos os condenados serão removidos das delegacias estaduais até o fim deste ano.

Segundo o sindicalista, só em Curitiba há cerca de 500 apenados cumprindo sentença em delegacias. Quanto ao reajuste salarial, os representantes da categoria e das secretarias de Administração e de Fazenda vão se reunir a partir da semana que vem para verificar a atualização salarial.

“Acredito que, na assembleia desta tarde, a categoria dê um voto de confiança para o governador e suspenda o movimento, mas mantendo a assembleia em aberto pelo prazo que julgar adequado para o governo pôr em prática o prometido”, disse Gutierrez. O Paraná dispõe de cerca de 4,3 mil profissionais na ativa, número que o sindicalista considera insuficiente.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas