Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PMs que arrastaram mulher em viatura vão depor nesta quarta-feira Eles serão ouvidos na próxima quarta-feira (19/3) pelo delegado titular, Carlos Henrique Machado, que cancelou as férias para cuidar do caso

Agência Brasil

Publicação: 18/03/2014 19:01 Atualização:

Filhos gêmos de Cláudia, Pablo e Pâmela, choram durante o velório e enterro da mãe, atingida por um tiro durante operação da PM  (Márcia Foletto/Agência O Globo)
Filhos gêmos de Cláudia, Pablo e Pâmela, choram durante o velório e enterro da mãe, atingida por um tiro durante operação da PM

Os três policiais militares acusados de arrastar o corpo da auxiliar de serviços gerais Cláudia da Silva Ferreira foram convocados a prestar depoimento na 29ª Delegacia de Polícia (DP). Eles serão ouvidos na próxima quarta-feira (19/3) pelo delegado titular, Carlos Henrique Machado, que cancelou as férias para cuidar do caso. Os depoimentos foram marcados para as 15h, mas podem ocorrer antes ou depois desse horário.

Os policiais estão presos no Complexo Penitenciário de Gericinó, no presídio de Bangu 8. O chefe de investigação da 29ª DP, Claudio Raiol, pede que testemunhas que presenciaram o crime venham até a delegacia depor. Segundo ele, parentes da vítima foram convocados a depor, mas não compareceram.

Leia mais notícias em Brasil

Os policiais do 9º Batalhão da Polícia Militar colocaram Cláudia Ferreira no porta-malas de uma viatura, depois de ela ter sido baleada em uma operação no Morro da Congonha, em Madureira, zona norte da cidade, no domingo (16). No caminho para o Hospital Carlos Chagas, o porta-malas se abriu e Cláudia foi arrastada por mais de 300 metros. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a mulher chegou morta ao hospital.

Laudo preliminar da Polícia Civil constatou que a auxiliar de serviços gerais morreu em consequência de um dos dois tiros que recebeu durante ação policial no Morro da Congonha. O laudo oficial com o atestado de óbito divulgado pela Polícia Civil confirma que a mulher já chegou ao hospital sem vida em razão da "laceração cardíaca e pulmonar de ferimento transfixante do tórax por ação perfurocortante". O Instituto Médico-Legal (IML) fará perícias complementares.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas