Brasil
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Famílias de crianças com Síndrome de Down defendem um mediador nas escolas Objetivo é facilitar não só o processo de aprendizagem, como também a integração com os colegas

Daniela Garcia - Correio Braziliense

Ana Pompeu

Publicação: 21/03/2014 06:00 Atualização: 24/03/2014 17:18

HORIZONTE ABERTO - Fotógrafa profissional, Jéssica relembra as dificuldades por que passou na escola e como foi importante ter uma professora dedicada  (Iano Andrade/CB/D.A Press)
HORIZONTE ABERTO - Fotógrafa profissional, Jéssica relembra as dificuldades por que passou na escola e como foi importante ter uma professora dedicada

 

Toda vez que a professora convocava os alunos para fazer trabalho em grupo na sala de aula, Jéssica ficava fora da divisão. Mesmo quando os colegas aceitavam a presença dela no grupo, avisavam que o nome da colega iria constar no trabalho, mas a aluna, com síndrome de Down, não teria o que fazer no grupo, nenhuma tarefa seria dada à ela. Aos 8 anos, Jéssica era uma menina tímida e não se atrevia a contar para a mãe como era seu dia a dia na escola. A rotina de exclusão só chegou aos ouvidos da mãe, a servidora pública Ana Cláudia Mendes de Figueiredo, de 49 anos, depois que ela contratou uma pedagoga para acompanhar de perto as atividades da filha no ambiente escolar. “Ela me relatava quando acontecia esse tipo de coisa com a Jéssica”, detalha.



Leia mais notícias em Brasil


Assim como Ana Cláudia, mães e pais de crianças com síndrome de Down defendem cada vez mais a presença de profissionais que atuem como mediadores do aprendizado dos filhos em unidades regulares de ensino. Hoje, Dia Internacional da Síndrome de Down, o Correio mostra como essa pode ser uma boa alternativa para a inclusão dos alunos com deficiência. A discussão sobre a presença desse auxiliar — ou cuidador — dentro da sala de aula motivou a apresentação do Projeto de Lei nº8014/10, que tramita no Congresso. Se aprovado, escolas públicas e privadas terão que manter um educador a mais na sala de aula, para atender alunos com deficiência intelectual ou física.

A proposta, do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG), foi aprovada na semana passada em caráter conclusivo na Câmara. Pais e especialistas aprovam a iniciativa, mas fazem ressalvas sobre o termo “cuidador”, utilizado no texto do projeto. “Pessoas com síndrome de Down precisam mesmo é de um mediador nas atividades escolares. Cuidador seria necessário em caso de crianças com dificuldades físicas ou de locomoção”, argumenta a coordenadora-geral do Movimento Down, Maria Antônia Goulart. Ana Cláudia, que participa da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, defende o termo “professor auxiliar”.

É assim que Ohana Dielly Damasceno, 23 anos, gosta de ser chamada. Estagiária no Centro Educacional Maria Auxiliadora (Cema), na Asa Sul, a estudante de pedagogia acompanha o desenvolvimento de duas alunas do 2º ano do ensino fundamental. As meninas, com síndrome de Down, nem sempre conseguem seguir o ritmo dos colegas. Ao ver que a criança enfrenta dificuldades para ler ou pronunciar alguma palavra, Ohana tem a liberdade, por exemplo, de sugerir à professora que indique exercícios específicos. “O dia a dia é uma descoberta tanto para mim quanto para elas.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: adriana braga
Achei muito interessante essa matéria abordando um tema tão importante como a síndrome de down. Precisamos buscar alternativas para o aperfeiçoamento dos educadores e ainda a inclusão destas crianças de forma completa. | Denuncie |

Autor: Egídio Silva
A reportagem sobre as pessoas com Down foi muito interessante e mostra a importância da família e das pessoas compreederem que as pessoas portadoras da síndrome de Down podem sim ter uma vida normal e podem alcançar seus objetivos. Como a Jessica. Parabéns ao Correio pela reportagem. Egídio. | Denuncie |

Autor: Ana Claudia Mendes Figueredo
Carros importados 15 comentários!!! Uma causa tão nobre não tem importância. Este é uma País que vai para frente. Que pena. | Denuncie |

Autor: LUIZ SILVA
Muito legal a cobrança de uma professora dedicada, ai, eu pergunto, e o salário dos professores, serão dedicados? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas