Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brasil tem condições de suprir demandas por água e energia, diz agência Agência Nacional de Águas (ANA) considera que o aumento de 5% do transporte rodoviário do mundo até 2030 poderá aumentar em até 20% a demanda por recursos hídricos atualmente usados na agricultura

Agência Brasil

Publicação: 22/03/2014 16:04 Atualização:

A Agência Nacional de Águas (ANA), responsável pela regulação e gestão das águas do Brasil, considera o país capaz de suprir suas demandas por água. Baseada em dados da Agência Internacional de Energia, segundo os quais um aumento nominal de 5% do transporte rodoviário do mundo até 2030 poderá aumentar em até 20% a demanda por recursos hídricos atualmente usados na agricultura, devido ao uso de biocombustíveis, a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu o tema Água e Energia para comemorar, nesta sábado (22/3), o Dia Mundial da Água.

“A ANA tem vocação para contemplar as atividades que precisam de água, como a produção agrícola. Mais específica, a cana-de-açúcar é tradicionalmente irrigada no país e é uma cultura que tem vocação para a energia”, diz o especialista em recursos hídricos da agência, Marco Neves, explicando que as questões regionais devem ser levadas em conta e que a instituição busca construir uma rede que não ponha em risco a segurança hídrica dos brasileiros.

Leia mais notícias em Brasil

A disponibilidade de água no país não é homogênea. Segundo a ANA, o Brasil tem 13% da água doce superficial disponível no planeta e cerca de 80% estão concentradas na região amazônica. “Determinamos a vazão máxima de água que pode ser usada por um certo período. Não é possível pensar em uma ampla área irrigada, de arroz inundado, por exemplo, no Semiárido do Nordeste, onde a disponibilidade hídrica é muito baixa”, explica Neves, dizendo que o abastecimento humano é a prioridade da ANA. “É a demanda mais nobre, que precede todas as outras questões.”

Para Neves, a questão energética é muito importante para a humanidade, inclusive para o aquecimento em alguns países. “E a água está muito relacionada com a produção de energia, de uma forma explicita na geração hidrelétrica, nas próprias termelétricas, que precisam de água para o resfriamento ou, nos agroenergéticos, culturas que têm vocação para produção de energia. O próprio bombeamento de água para atender ao sistema de saneamento precisa de energia.”

Dados da ONU indicam que cerca de 8% da energia gerada no planeta são usados para bombear, tratar e levar água para o consumo humano e 75% de todo o consumo industrial de água direcionam-se à produção de energia elétrica. No Brasil, o grande destaque na matriz energética fica a cargo da geração hidrelétrica, que representa 70% de toda capacidade instalada, informa a ANA.

Para o coordenador do Programa Água para a Vida da organização não governamental (ONG) WWF-Brasil, Glauco Kimura de Freitas, o Brasil já deveria ter começado um programa de diversificação da produção para a segurança energética do país. “O Brasil tem uma rica rede de drenagem de rios e uma aptidão natural para o sistema hidrelétrico, porém, temos visto como o desmatamento, a urbanização e as mudanças climáticas têm tornado vulnerável nossa matriz energética”, disse ele.

Kimura ainda explica que a capacidade de geração hidrelétrica está quase esgotada em alguns estados e que a região amazônica seria, portanto, a área de expansão. “Isso tem gerado sérios desgastes ambientais, como vemos em Belo Monte e no Rio Madeira”, ressalta o especialista, explicando que a opção pela energia nuclear gera outros riscos, muito mais sérios, como ocorreu no Japão. No caso das termelétricas, Kimura lembra que usam combustíveis fósseis e poluem muito mais.

Para ele, as fontes de energia não convencionais, como a solar, a eólica e a maremotriz, são uma boa opção. “Não estou dizendo que sejam a solução, mas que podemos diversificar a matriz, explorando as diversidades regionais. Em tempo de crise, os economistas podem confirmar: não se coloca dinheiro em uma aplicação só. A mesma coisa acontece com o meio ambiente, só precisa de força de vontade.”

Segundo a ONU, desde 1990, mais de 2 bilhões de pessoas ganharam acesso à água potável, mas ainda há, atualmente, 768 milhões de pessoas sem acesso à água tratada, 2,5 bilhões não melhoraram suas condições sanitárias e 1,3 bilhão não têm acesso à eletricidade.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas