Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ex-prefeita de Jandira é investigada por desviar verbas da merenda escolar Deflagrada na manhã desta terça-feira (25/3), a Operação Iraxim envolve 60 policiais

Agência Brasil

Publicação: 25/03/2014 14:35 Atualização:

A Polícia Federal cumpre (PF) oito mandados de busca e apreensão em São Paulo, para desarticular uma quadrilha que desviava recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), repassados à prefeitura de Jandira (SP) para a compra de merenda escolar no município. Deflagrada na manhã desta terça-feira (25/3), a Operação Iraxim envolve 60 policiais. De acordo com a PF, há “indícios do envolvimento” da ex-prefeita Anabel Sabatine (PSDB) e de ex-gestores e empresas que forneciam alimentos à prefeitura durante o mandato dela.

Anabel Sabatine administrou a cidade entre 2010 e 2012, após o então prefeito Bras Paschoalin (PSDB) ter sido assassinado. O crime aconteceu em 2010, em frente a uma rádio local onde Paschoalin ia participar de um programa. Na época, ele era acusado de manter um esquema de pagamento de propina para vereadores de Jandira. O então secretário de Habitação do município, Vanderlei Aquino, foi um dos investigados pelo crime.

Leia mais notícias em Brasil

Contatado pela Agência Brasil, o secretário de Comunicação de Jandira, Vladimir Soares, informou que a PF foi hoje cedo à prefeitura para acessar alguns documentos. Atualmente, a prefeitura da cidade é administrada por Geraldo Teotônio (PV), que quando vereador fazia “oposição ferrenha” à então prefeita.

“A prefeitura está colaborando no que for necessário para que a operação tenha sucesso”, garantiu o secretário de Comunicação.

Em nota, a PF informa que a dispensa de licitação “era apenas uma estratégia usada para a contratação direcionada de determinadas empresas” e que o superfaturamento de preços em alguns casos chegou a 200%. “Em apenas quatro contratos – que somam R$ 5 milhões – há indícios do desvio de mais de R$ 2,5 milhões”, diz a nota.

Os investigados pela Operação Iraxim responderão pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e fraudes em licitações, cujas penas variam de dois a 12 anos de prisão.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: José A. S. Neto
Mais um PSDBista para as erstatísticas ! ! ! A quantas andam mesmo as estatísticas ? ? ? ? - - - - Esta informação é muito importante para que o povo saiba quem é quem ! ! ! Será se vão ENGAVETAR MAIS ESTA ? ? ? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas