Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Praças militares e bombeiros criticam suporte oferecido nas UPPs Segundo o presidente da Associação de Praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro o Estado não tem dado aos policiais o suporte necessário para quem trabalha nessas unidades

Agência Brasil

Publicação: 31/03/2014 21:05 Atualização:

O presidente da Associação de Praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, Vanderlei Ribeiro, criticou a forma como vem sendo feito o policiamento nas áreas onde foram instaladas unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), que tem resultado em mortes de militares e ferimentos em outros, vítimas de ataques de emboscada durante a noite e madrugada.

Segundo Vanderlei, o Estado não tem dado aos policiais o suporte necessário para quem trabalha nessas unidades, equipando melhor e oferecendo melhor estrutura," como o uso da Inteligência e a instalação de câmeras de segurança que permitam a visualização dos pontos mais críticos e toda a área de atuação". Segundo ele, nem todas as bases de UPP têm câmeras de segurança, que permitam ao policial maior visibilidade e controle da comunidade.

Leia mais notícias em Brasil


Outra questão colocada pelo presidente da associação de classe dos militares [soldados, cabos e sargentos] é o uso de policiais sem experiência, recém-formados, que saem do Centro de Formação de Praças e Soldados (Cfap) direto para compor o efetivo das UPPs. "Em primeiro lugar, tem que colocar policiais mais experientes para trabalhar nos pontos críticos, como os complexos do Alemão, Manguinhos e Rocinha". Vanderlei Ribeiro acrescentou que o policial sem experiência vai se assustar: "Ele não tem maturidade profissional para enfrentar esse tipo de situação, como as emboscadas feitas por criminosos nessas áreas da cidade".

Em nota, o Programa de Polícia Pacificadora informa que reconhece a importância de policiais mais experientes passando conhecimentos para os recém-formados. Tanto que 10% do efetivo de todas as UPPs são formados por sargentos e cabos, ou seja, policiais mais experientes, responsáveis pela supervisão da tropa.

Quanto às câmeras de segurança, existe um levantamento feito pela subsecretaria de Modernização Tecnológica, da Secretaria de Segurança, para a ampliação da instalação dos equipamentos nas UPPs. Porém, a ampliação do programa de monitoramento é caro e requer um estudo de viabilidade orçamentária.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas