Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Obra no Itaquerão estava irregular, diz Ministério do Trabalho Segundo ministério, os operários não dispunham de equipamentos coletivos de segurança e tinham dificuldade para usar os individuais

Agência Brasil

Publicação: 01/04/2014 20:31 Atualização:

O superintendente regional do Ministério do Trabalho em São Paulo, Luiz Antonio Medeiros, disse hoje (1º) que as obras das obras de construção das arquibancadas temporárias da Arena Corinthians, o Itaquerão, estavam irregulares. Segundo ele, os operários não dispunham de equipamentos coletivos de segurança e tinham dificuldade para usar os individuais.

Segundo Medeiros, o esquema usado no Itaquerão tornava difícil aos operários ter segurança pessoal. "Tanto é que, quando nós chegamos lá para interditar, ninguém estava usando o equipamento de segurança [individual], nem o encarregado [da obra]”, disse ele. “A norma diz que tem de haver proteção coletiva. E, na visão do Ministério do Trabalho, não havia”, acrescentou Medeiros. A Superintendência recomenda o uso de uma rede de proteção para os operários.

Leia mais notícias em Brasil

As obras das arquibancadas temporárias ficarão embargadas pelo menos até quinta-feira (3/4), quando haverá nova reunião entre a Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego e a Fast Engenharia, empresa responsável pela obra. Os técnicos em segurança exigem a instalação de guarda-corpos e de cordas de segurança transversais e longitudinais, além da apresentação de um projeto de proteção coletiva para a obra.

Apesar de afirmar que houve irregularidade da empresa, Medeiros ressalvou que a fiscalização da obra também foi falha, e só percebeu os problemas após a ocorrência do acidente. “Nós temos 400 fiscais [no estado de São Paulo] para milhões de obras. Não é possível que tenhamos um fiscal em cada obra”, defendeu-se.

O advogado da empresa Fast, David Rechulski, apresentou documentos que, segundo ele, comprovariam que a vítima estava apta a executar suas funções. Ele disse ainda que as cordas de segurança que havia no local do acidente podem ser consideradas equipamentos de proteção coletiva, como exige a norma trabalhista.

“Certamente, havia proteção coletiva. Existe uma empresa que foi contratada pela Fast especificamente para prover segurança no local aos trabalhadores”, destacou o advogado. “Havia outros dois operários na plataforma no momento do acidente, eles estavam conectados [à corda de segurança] e não sofreram nada”, acrescentou Rechulski.

A obra foi interditada após da morte do operário Fábio Hamilton da Cruz, de 23 anos, que caiu de uma altura de 8 metros, no último sábado (29). Em quatro meses, foi o segundo acidente nas obras do estádio, que receberá o jogo de abertura da Copa do Mundo. No final de novembro, dois operários morreram após a queda de um guindaste.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas