Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Costureiras de comunidades da Tijuca vão montar desfile para a Fashion Rio O curso será de capacitação e inclusão produtiva, para costureiras que já trabalhavam com fantasias para o carnaval

France Presse

Publicação: 03/04/2014 19:16 Atualização:

A edição de novembro da semana de moda Fashion Rio deve contar este ano com um desfile preparado por costureiras de comunidades pacificadas da Tijuca, na zona norte do Rio. O projeto Samba, Moda e Sustentabilidade foi lançado nesta quinta-feira (3/4) na quadra do Grêmio Recreativo e Escola Samba Acadêmicos do Salgueiro.

Leia mais notícias em Brasil

O convênio entre o Instituto Pereira Passos (IPP), o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Salgueiro e a ONG franco-brasileira Moda Fusion vai capacitar 20 costureiras de comunidades da região para trabalhar na indústria da moda. De acordo com a presidenta do IPP, Eduarda La Rocque, o curso, que vai durar 5 meses, é de capacitação e inclusão produtiva, para costureiras que já trabalhavam com fantasias para o carnaval.

“O curso é voltado para moda, é justamente pegar as costureiras que estão acostumadas a trabalhar só para o carnaval e capacitá-las também para vender para desfile de moda, design, então é uma questão bem da indústria de moda. A ideia é que elas produzam peças para serem disponibilizadas e vendidas no Fashion Rio, que vai ser em novembro. Então vai ter uma coleção apresentada lá e depois vai ter toda a coleção para ser vendida entre o Fashion Rio e o carnaval”.

Para Eduarda, o curso, articulado pelo projeto da prefeitura UPP Social, pode proporcionar também mobilidade produtiva e social, devido ao alto valor agregado ao setor de moda. “É uma oportunidade de algumas delas que têm talentos fantásticos se destacarem e poder se transformar em grandes estilistas, grandes costureiras, e serem aproveitadas pela indústria da moda no seu mais alto valor agregado”.

O projeto-piloto envolve 20 costureiras, mas pode ser expandido no próximo ano, dependendo do resultado do curso. De acordo com o IPP, a iniciativa está fundamentado em três pilares de produção e consumo: a proteção humana, ambiental e cultural, para promover o comércio justo, o uso de matérias-primas orgânicas, ecológicas e recicladas e valorizar técnicas locais e tradicionais.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas