Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Decisão sobre salários equiparados no Mais Médicos vai para justiça comum Ação exige que os médicos cubanos passem a receber o mesmo salário dos brasileiros e recebam todos os direitos trabalhistas previstos na Constituição

Daniela Garcia - Correio Braziliense

Publicação: 07/04/2014 14:28 Atualização: 07/04/2014 14:28

O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região decidiu, na manhã desta segunda-feira (7/4), que cabe à justiça comum analisar a ação civil pública que pede o reconhecimento da relação de trabalho dos profissionais estrangeiros no Programa Mais Médicos com o governo federal. A ação também exige que os médicos cubanos passem a receber o mesmo salário dos brasileiros, com o fim do repasse a Organização Panamericana de Saúde (Opas) e ao governo de Cuba.

A juíza Thais Bernardes, da 13ª Vara do Trabalho de Brasília, argumentou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu reiteradas vezes pela competência da justiça comum na análise de relações jurídico-administrativas, como é o caso do Programa Mais Médicos.

Leia mais notícias em Brasil


A medida provisória que criou o programa diz que os médicos farão um curso de especialização durante o programa e, por isso, receberão a remuneração por meio de bolsa de estudos. Na ação pública, o MPT pede que os médicos recebam todos os direitos trabalhistas previstos na Constituição, como férias remuneradas com adicional de um terço do salário e 13º salário.

Foi solicitado ainda que o governo deixe de repassar o salário dos médicos cubanos ao governo de Cuba ou à Opas, sob pena de pagamento de multa diária de R$100 mil. A aplicação da mesma multa é pedida para casos de descumprimento das outras exigências.

Segundo Thais Bernades, para a Justiça do Trabalho analisar se os médicos têm os direitos trabalhistas indicados pelo MPT, é necessário primeiramente examinar “a validade do Programa e da própria normatização a ele aplicável”. Ela argumenta que cabe à justiça comum para análise de relações de natureza administrativa. “Não se trata, ao contrário do que quer fazer parecer o autor (MPT), de questão afeta ao meio ambiente do trabalho”, disse.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: João Batista Martins
Danos morais também né! | Denuncie |

Autor: Cidadão Kane
Por quê a reportagem não fala quem entrou com a ação? "Foi solicitado ainda que o governo..." | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas