Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Após dois meses de cheia, nível do Rio Madeira começa a baixar em Rondônia O tenente-coronel Demargli da Costa Farias, da Defesa Civil, prevê que alguns repiques poderão acontecer, mas isso é comum, e não há impacto

Agência Brasil

Publicação: 11/04/2014 16:53 Atualização:

População de Rondônia sofre com a cheia há dois meses (Centro de Apoio Missionário/Divulgação)
População de Rondônia sofre com a cheia há dois meses

Há mais de dois meses convivendo com as consequências da cheia do Rio Madeira, a população de Rondônia se prepara para contar prejuízos e voltar à rotina. O nível do rio recuou 34 centímetros e registra hoje 19,36 metros. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), a máxima alcançada foi 19,7 metros.

O tenente-coronel Demargli da Costa Farias, da Defesa Civil, prevê que alguns repiques poderão acontecer, mas isso é comum, e não há impacto. O fenômeno do repique é uma cheia repentina, que eleva e também baixa rapidamente o nível da água.

Cerca de 30 mil pessoas foram afetadas pelas inundações em Rondônia, 6.032 famílias em todo estado, a maioria na capital Porto Velho. Foram atingidos também os moradores de Nova Mamoré, Guajará-Mirim, Costa Marques, Cacoal, Candeias, Jaru, Ji-Paraná e Pimenta Bueno.

Leia mais notícias em Brasil

Coronel Farias informa que um abrigo único foi preparado para acomodar as 1.646 famílias desabrigadas em Porto Velho. Elas estavam alojadas em escolas, igrejas e outros abrigos emergenciais.

Foram montadas 200 barracas, que acomodam até dez pessoas cada. O local é equipado com academia, lavanderia, banheiros químicos, espaço para banho e atividades lúdicas para as crianças.

Com a baixa do nível do Rio Madeira, a situação da rodovia BR-364 também começa a ser normalizada. A rodovia é a única ligação de Guajará-Mirim e Nova Mamoré, cidades rondonienses na fronteira com a Bolívia, e do estado do Acre com o restante do país.

Equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e da Polícia Rodoviária Federal estão fazendo um diagnóstico sobre a situação da rodovia nos pontos inundados. Caminhões com eixo mais altos conseguem trafegar, entretanto, por precaução, balsas são utilizadas para a travessia.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas