Brasil
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Violência sexual contra crianças em portos tende a crescer durante a Copa O governo federal registrou mais de 32 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes. Especialistas alertam para o aumento de casos em áreas portuárias

Helena Mader

Leilane Menezes

Publicação: 14/04/2014 06:00 Atualização:

Meninas que fugiram de casa e vivem na rua, em Salvador: manobras pela sobrevivência (Monique Renne/CB/D.A Press)
Meninas que fugiram de casa e vivem na rua, em Salvador: manobras pela sobrevivência

 

Em meio ao vaivém de pequenos barcos e de navios estrangeiros, meninas miseráveis trocam os brinquedos e os uniformes escolares por roupas sensuais e exibem-se no cais. Vendem o corpo a turistas ou a estivadores e negociam a inocência por algum trocado. Das sucessivas violações de direitos da criança registrados diariamente nos portos brasileiros, a exploração sexual é a mais cruel e uma das mais recorrentes. Com a proximidade da Copa do Mundo e o aumento do fluxo de visitantes, entidades de defesa da infância fazem um triste prognóstico: a incidência de casos de abuso de meninos e meninas em áreas portuárias tende a crescer sem controle.

O Correio publica desde ontem a série Cais do abandono, que mostra as principais violências contra crianças em terminais fluviais e marítimos. Não existem estatísticas de violações de direitos da criança nos portos. Mas os dados nacionais dão uma amostra de como a infância é desrespeitada no país. No ano passado, em todo o Brasil, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República recebeu 124 mil denúncias e 26% dos casos eram relativos a situações de violência sexual contra meninos e meninas — o equivalente a 32,2 mil casos de abuso e exploração. Essa foi a quarta denúncia mais recorrente entre as registradas pelo Disque 100, atrás somente da negligência e das violências física e psicológica.

Apesar da gravidade do problema, o repasse de recursos federais para o programa de ações integradas de enfrentamento ao abuso, tráfico e exploração sexual de crianças (Pair) no país está em queda. Em 2011, segundo informações do site Transparência Brasil, o governo destinou R$ 4,8 milhões para essa rubrica. No ano seguinte, o valor caiu à metade: R$ 2,4 milhões. Em 2013, foi registrado o mesmo percentual de queda e os investimentos chegaram a R$ 1,3 milhão.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Aguinaldo Lino
isso é só mais uma da coisas que a copa aumentará no país além das doenças que traram e ae kd os direitos humanos? só porque não são bandidos não têem direitos?disse bem armando, barco sem rumo e as autoridades nada fazem | Denuncie |

Autor: Paulo Ramon
Preguiça de trabalhar não se confunde com falta de oportunidades. Cada caso é um caso. | Denuncie |

Autor: Jl Madeira
para piorar, o Jean Wyllys, aquele deputado do BBB-RJ, quer a todo custo legalizar a prostituição, de preferência antes da copa. Qual será o interesse dele? | Denuncie |

Autor: armando nascimento
A prostituição é a profissão mais antiga; isso é falta de vergonha; é preguiça de trabalhar. Nada disso justifica essas atrocidades. Os governantes têm sua parcela de culpa, mas parte, principalmente, as familias carentes e sem dirigentes do lar. A origem dessas crianças revela isso, barco sem rumo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas