Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rondônia começa campanha para evitar doenças trazidas pela cheia O nível do Rio Madeira continua baixando e nesta segunda-feira está em 19,05 metros, segundo a Agência Nacional de Águas

Agência Brasil

Publicação: 14/04/2014 12:34 Atualização: 14/04/2014 12:50

Cheias prejudicam moradores que vivem próximo ao Rio Madeira  (Marcos Freire/Decom. Brasil)
Cheias prejudicam moradores que vivem próximo ao Rio Madeira


O governo de Rondônia começou campanha de conscientização da população sobre os cuidados que deve tomar para evitar doenças trazidas pela cheia e pela contaminação da água. A campanha inclui palestras em abrigos e escolas e a distribuição de cartilhas e panfletos. O nível do Rio Madeira continua baixando e nesta segunda-feira (14/4) está em 19,05 metros, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), mas chegou a alcançar 19,70 metros, a máxima histórica.

Cerca de 30 mil pessoas foram afetadas pela cheia no estado. A grande preocupação da Secretaria de Saúde é com o período pós-enchente, quando a população começar a sair dos abrigos públicos e voltar para suas casas. “Nos abrigos, as famílias estão protegidas em um local seguro e salubre. Quando começarem a voltar para suas casas, a vigilância deve ser redobrada, por conta de condições insalubres. A população deve consumir água potável e não tomar banho em água suja”, disse o secretário Williames Pimentel.

Leia mais notícias em Brasil

Segundo ele, as famílias devem começar a voltar para casa em 60 dias e as residências receberão higienização para esse retorno. Ele informou que hoje chegaram ao estado 71 profissionais do Programa Mais Médicos que vão atender principalmente os municípios de Nova Mamoré e Guajará-Mirim, muito afetados pela cheia. A diretora-geral da Agência Estadual de Vigilância em Saúde, Arlete Baldez, disse que amanhã (15) começa a formação de multiplicadores - professores, alunos e líderes comunitários – que vão repassar informações sobre os riscos de contrair doenças como leptospirose, cólera, febre tifóide, hepatite A, dengue, malária, doenças diarréicas agudas causadas por bactérias, vírus e parasitas. Há expectativa de que pelo menos 500 pessoas sejam treinadas para reforçar a campanha de conscientização.

Segundo Arlete, 66 casos de leptospirose foram confirmados no estado, dos quais 26 em Porto Velho. Uma morte foi registrada até o momento. A leptospirose é uma doença infecciosa causada por uma bactéria presente na urina de ratos e outros animais. Bois, porcos e cães podem adoecer e transmitir a doença ao homem. A bactéria penetra no corpo através da pele e qualquer pessoa que tiver contato com água ou lama contaminadas pode se infectar. O estado também aguarda a chegada de uma nova equipe da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) para montar hospitais de campanha nos sete principais distritos atingidos pela cheia: Calama, São Carlos, Nazaré, Jacy-Paraná, Abunã, Cuniã e Nova Califórnia. Os profissionais vão ajudar em atendimentos emergenciais e evitar a ocorrência de epidemias.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas