Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Funcionários de 13 cemitérios municipais do Rio fazem greve na sexta-feira "A Santa Casa nem férias está dando", disse o diretor social do Sindfilantrópicas

Agência Brasil

Publicação: 22/04/2014 18:40 Atualização: 22/04/2014 18:40

Funcionários da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, que administra 13 cemitérios na capital fluminense, farão uma paralisação na próxima sexta-feira (25/4) das 9h às 13h em protesto aos atrasos no pagamento dos salários. Apenas o Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária da cidade, não irá aderir à paralisação.

Os salários e benefícios estão atrasados há quatro meses e os encargos trabalhistas não estão sendo pagos. A denúncia foi feita pelo diretor social do Sindicato dos Empregados em Instituto Beneficentes, Religiosas, Filantrópicas e Organizações Não Governamentais do Estado do Rio de Janeiro (Sindfilantrópicas), Marcos Flávio Mendonça. “A Santa Casa nem férias está dando. Muitos trabalhadores estão sendo mandados embora, forçando todos a entrar na Justiça para conseguir receber o que é de direito”, disse.

Segundo o diretor, a Santa Casa não se manifesta quando procurada pelo sindicato, o que dificulta saber ao certo o porquê da dificuldade nos pagamentos. “Nós estamos exposto nossa insatisfação. Muitos trabalhadores estão passando necessidade, alguns já foram despejados de suas casas. A situação é caótica. Nós tentamos nos reunir com a direção da Santa Casa para dialogar, mas ninguém nos atende, nos dá satisfação. A prefeitura também não responde sobre o novo consórcio que ia assumir a gestão dos cemitérios”, disse Mendonça.

Leia mais notícias em Brasil

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria da Santa Casa da Misericódia admitiu que a entidade passa por uma crise financeira. Segundo a instituição, há uma conversa com os administradores dos cemitérios para tentar pagar as pendências o mais rápido possível.

Passando por dificuldades de administração há alguns anos, a Santa Casa teve como estopim para a atual crise a denúncia de fraude, em julho do ano passado, na venda de jazigos sem autorização da prefeitura, além de construir túmulos de forma inapropriada, sonegar notas fiscais e falsificar documentos. A entidade perdeu o título de entide filantrópica e o então provedor Dahas Chade Zarur foi afastado do cargo, sendo substituido pelo advogado Luiz Fernando Mendes.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas