Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Delegado diz que dançarino morto no Rio teria sido espancado

Agência Brasil

Publicação: 24/04/2014 21:31 Atualização: 27/04/2014 15:38

O delegado Gilberto Ribeiro, responsável pelas investigações sobre a morte do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, disse hoje (24) que, com base nas análises da perícia feitas até o momento, não há indícios de que o jovem tenha sido espancado. Segundo Ribeiro, o rapaz pode ter sofrido escoriações durante queda de uma laje.

“Ainda vamos aprofundar melhor isso. Vou conversar com o legista e tomar outras providências que me permitam ter uma conclusão definitiva, mas, a priori, pelo tipo de lesão apresentada, não há indicação de espancamento.”

A mãe do dançarino, a técnica de enfermagem Maria de Fátima Silva, defende a tese de que o filho foi torturado antes de morrer.

A Polícia Civil confirmou ontem (23) que o dançarino foi atingido por um tiro. Segundo laudo do IML, o rapaz morreu devido a uma hemorragia interna decorrente “de laceração pulmonar proveniente de ferimento transfixante do tórax".

O delegado já ouviu oito policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Pavão-Pavãozinho, zona sul do Rio, envolvidos no confronto com traficantes. Na terça-feira (22), dia seguinte ao tiroteio, o corpo do dançarino foi encontrado em uma creche na comunidade. Mais um policial prestará depoimento amanhã (25).

“Hoje estive na quadra onde houve o confronto para entender o local, estive na laje onde supostamente DG [Douglas] se encontrava no momento do confronto e de onde viriam disparos de arma de fogo na direção dos policiais militares”, contou o delegado. “Não existem divergências, existem lacunas que teremos que procurar preencher com as investigações. Eles [PMs] admitem ter trocado tiros com os criminosos que atiraram na direção deles", completou Ribeiro.

Segundo o delegado, os policiais disseram ter visto um vulto pulando de uma laje para outra, vizinha à creche onde o corpo do dançarino foi encontrado, e que não atiraram na pessoa.

Hoje pela manhã foram entregues as armas dos militares usadas no confronto que serão analisadas pela perícia: seis fuzis e dez pistolas.

O delegado confirmou que a ação da PM no Pavão-Pavãozinho foi feita para encontrar o chefe do tráfico na comunidade, Adauto do Nascimento Gonçalves, o Pitbull, de 34 anos, que estava no local segundo informação recebida pelo Disque-Denúncia.

Gilberto Ribeiro também investiga as circunstâncias da morte de Edilson Silva dos Santos, 27 anos, na terça-feira à noite durante manifestação para cobrar apuração do caso Douglas. “Essa investigação está prejudicada, pois dependo desse rapaz [testemunha que carregou o corpo] para me indicar o local e ele até agora não o fez.”
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas