Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Coveiros paralisam atividades em 12 cemitérios da cidade do Rio O Sindfilantrópicas informou que o problema do atraso de salário poderia ter sido resolvido se a Santa Casa da Misericórdia usasse a renda de cada cemitério para pagar os empregado

Agência Brasil

Publicação: 25/04/2014 13:19 Atualização:

Cerca de 600 funcionários de cemitérios administrados pela Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro fizeram uma paralisação na manhã de nesta sexta-feira (25/4) para protestar contra o atraso no pagamento de salários e benefícios. O protesto afetou 12 dos 13 cemitérios administrados pela entidade na capital fluminense. A exceção é do São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária, que funcionou normalmente.

O presidente do Sindicato dos Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas, Filantrópicas e Organizações não Governamentais do Estado do Rio de Janeiro (Sindfilantrópicas), Sergio Antonio Alves, informou que o cemitério São Francisco Xavier não paralisou os trabalhos porque é o único que os funcionários estão com o salário em dia.

“Até às 13h, os trabalhadores resolveram cruzar os braços como sinal de alerta. A partir do momento que não se resolva nada até este sábado (26/4) ou até segunda-feira (28/4), a tendência é que a gente paralise e não faça mais enterro", disse Alves.

Segundo ele, o problema do atraso de salário poderia ter sido resolvido se a Santa Casa da Misericórdia usasse a renda de cada cemitério para pagar os empregados. No entanto, de acordo com Alves, a instituição exige que a renda diária seja levada para a matriz antes do pagamento ser efetuado.

Leia mais notícias em Brasil


“O motivo [da paralisação] é o atraso de salário, que na quarta-feira (30/4) vai completar cinco meses, além de não pagar os encargos sociais. Há 20 anos a Santa Casa não recolhe o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e não paga benefício do Instituto Nacional do Seguro Social”, disse Antonio.

A Santa Casa da Misericórdia informou, em nota, que “está fazendo o possível para efetuar os pagamentos no menor tempo possível”. De acordo com a nota, “a instituição passa por um período de dificuldades desde que foi descredenciada pelo Sistema Único de Saúde”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas