Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Campanha conscientiza sobre necessidade de fazer teste de HIV O mutirão foi feito para aproveitar a semana que antecede a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo

Agência Brasil

Publicação: 28/04/2014 19:12 Atualização:

Para aproveitar a semana que antecede a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo promoveu nesta segunda-feira (28/4) a testagem para diagnóstico precoce do HIV por meio do fluído oral para triagem. Caso o resultado fosse positivo, um novo teste era feito com a coleta de sangue de um furo no dedo. Nesta terça-feira (29/4), os testes serão feitos no Centro de Referência da Diversidade, no centro da cidade.

De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de DST/Aids do estado de São Paulo, Maria Clara Gianna, os testes são feitos durante todo o ano, mas nesta semana o objetivo é difundir a ideia de que é preciso ter o diagnóstico da doença o quanto antes. “É fundamental expandir a testagem do HIV para a população em geral, mas principalmente entre os gays e homens que fazem sexo com outros homens”.

Gianna explicou que o teste feito com o fluído oral é uma novidade no país, mas começa a ser empregado porque traz mais agilidade ao resultado. “Esse é um teste de triagem. Quando o resultado dá negativo, já basta, mas quando dá positivo, fazemos o exame de sangue com pulsão no dedo para complementar. No caso de confirmação, a pessoa já sai daqui matriculado no serviço de saúde e o encaminhamento para iniciar o tratamento”, explicou.

Segundo Gianna, o teste oral é tão eficaz quanto os outros. O próprio indivíduo manuseia uma haste com um algodão na ponta para coletar a saliva. Em seguida, o material é colocado em um pequeno frasco com um líquido reagente e em meia hora já se sabe o resultado. “O exame detecta na saliva os anticorpos específicos que o organismo produz para combater o vírus”. Antes de fazer o teste, a pessoa responde a um questionário totalmente sigiloso.

Leia mais notícias em Brasil

Atualmente há em São Paulo cerca de oito mil novos casos de aids, sendo que os de portadores do HIV são a maioria, com a concentração principal entre os gays e homens que fazem sexo com outros homens. “É muito importante que se detecte as pessoas portadoras do vírus o quanto antes para que iniciem o tratamento retroviral e evitar a transmissão”.

O auxiliar administrativo Júlio César, 30 anos, admitiu ter parado para fazer o teste porque “fez algumas besteiras” quando mais novo. “Como estava fácil criei coragem e resolvi fazer. Normalmente temos medo de fazer porque aprontamos um pouco na juventude, corremos riscos, mas é importante saber e se prevenir”, disse.

Casado, o ascensorista Vanderson de Souza Vieira, de 30 anos, garantiu que é fiel à esposa, mas mesmo assim quis fazer o teste para conferir. Foi a primeira vez que fez um teste para saber se é portador de HIV. “Nunca saí com mulher nenhuma fora ela [a esposa], então quis fazer para mostrar a ela que estou limpo. Só para garantir. É importante fazer ”, explicou.

Aos 23 anos, Ingrid Gonçalves, operadora de telemarketing, é casada, mas resolveu fazer o teste porque foi abordada na calçada e achou interessante já que há pelo menos dois anos não faz o teste. “Apesar de ser casada, acho importante saber como estou, porque a gente não tem tanta certeza das coisas”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas