Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Educadores aprovam Enem como forma de ingresso na Universidade de Coimbra A decisão da Universidade de Coimbra de aceitar o Enem como critério para ingresso é bem vista por educadores. Mas os estudantes só vão aproveitar as oportunidades abertas no exterior se a qualidade do ensino, aqui, melhorar

Julia Chaib

Daniela Garcia - Correio Braziliense

Publicação: 29/04/2014 06:00 Atualização: 28/04/2014 23:14

Montserrat Kindelan: Não é possível universalizar o acesso à escola sem oferecer ensino de qualidade (Carlos Moura/Esp. CB/D.A Press)
Montserrat Kindelan: Não é possível universalizar o acesso à escola sem oferecer ensino de qualidade


A decisão da Universidade de Coimbra, em Portugal, de aceitar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de ingresso na instituição levantou o debate sobre a internacionalização do ensino. Especialistas ouvidos pelo Correio defendem o intercâmbio de estudantes brasileiros com universidades do exterior, por meio de programas como o Ciência Sem Fronteiras, para alunos de graduação, mas ressaltam aspectos que ainda precisam ser aprimorados. Enviar mais estudantes de mestrado e doutorado para o exterior e ampliar o leque de acesso a trabalhos estrangeiros estão entre as medidas citadas.

Reitor da Universidade Católica de Brasília e consultor de projetos internacionais da Oordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Afonso Celso Danus Galvão defende que o Ministério da Educação (MEC) invista em bolsas de estudo no exterior para alunos que cursam mestrado e doutorado. Ele explica que o Brasil tem um déficit de professores com título de doutor. “De 340 mil, apenas 25% são doutores. A maioria está nas escolas federais”, argumenta. Galvão alega que a presença de mais mestres e doutores dá mais consistência à produção científica das universidades. “Nós não temos ainda nenhuma universidade entre as 200 melhores do mundo, o que é uma vergonha”, opina.

Leia mais notícias de Brasil

Já os investimento em bolsas de graduação não trazem tantos resultados, avalia o reitor. “São raros os alunos do Ciência Sem Fronteiras que fazem pesquisa”. O coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, elogia a iniciativa do Ciência Sem Fronteiras, mas também faz ressalvas. “É necessário avaliar o custo da matrícula do estudante no exterior e o custo da permanência”, ressalta. O programa visa a conceder 101 mil bolsas no período de quatro anos para alunos de graduação e pós-graduação fazerem estágios em universidades do exterior.

A atitude da Universidade de Coimbra anunciada na última semana é bem vista por Cara. “Ocorre que Coimbra tem tido dificuldade de manutenção, então, essa é uma forma de garantir recursos. É uma estratégia inteligente e um sinal de que a universidade vê com bons olhos o processo de seleção brasileiro”, diz. A mensalidade na instituição portuguesa custa o equivalente a R$ 2,1 mil.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas