Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Governo reconhece calamidade pública em Rondônia com cheia do Rio Madeira Reconhecimento permite mais agilidade nas ações de socorro e na liberação de verbas

Agência Brasil

Publicação: 30/04/2014 09:43 Atualização: 30/04/2014 10:00

Segundo a última aferição feita nesta quarta-feira (30/4) pela Agência Nacional de Águas, o Rio Madeira está com 17,57 metros acima do nível normal (Fernando Dias Braga/CB )
Segundo a última aferição feita nesta quarta-feira (30/4) pela Agência Nacional de Águas, o Rio Madeira está com 17,57 metros acima do nível normal


O governo federal reconheceu estado de calamidade pública em Rondônia, que sofre há mais de dois meses com a cheia do Rio Madeira. A portaria da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional, foi publicada nesta quarta-feira (30/4) no Diário Oficial da União.

O reconhecimento do estado de calamidade pública permite mais agilidade nas ações de socorro e na liberação de verbas após o aval do ministério. Os recursos são destinados por meio do Cartão de Pagamento de Defesa Civil. A ferramenta é utilizada pelo governo federal para dar mais rapidez às ações de resposta.

Leia mais notícias em Brasil

O governo federal já fez cinco repasses de recursos para o estado. O primeiro, no valor de R$ 564,8 mil, foi publicado no Diário Oficial da União do dia 25 de fevereiro. A segunda ajuda financeira foi R$ 5.266.446,75, divulgada no dia 6 de março. Em 26 de março, houve a liberação de R$ 884 mil. No dia 2 de abril, o governo federal autorizou o repasse de mais R$ 827.258 para ações de defesa civil em Rondônia. A última liberação de verbas ocorreu no dia 9 de abril, no valor de R$ 587.189.

Segundo a última aferição feita nesta quarta-feira pela Agência Nacional de Águas, o Rio Madeira está com 17,57 metros acima do nível normal. O pico ocorreu no dia 30 de março quando alcançou 19,7 metros. O recorde anterior havia sido registrado em 1997, quando ficou 17,52 metros acima do nível. Porto Velho e seus distritos, Nova Mamoré e Guajará-Mirim foram as regiões mais prejudicadas.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas