Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Morre mulher acusada de sequestro e linchada pela população do Guarujá Ela foi internada, em estado grave no Hospital Santo Amaro, com quadro de traumatismo craniano no sábado (3/5), dia da agressão

Publicação: 05/05/2014 17:09 Atualização: 05/05/2014 18:26

A mulher que foi espancada por populares no Guarujá (SP), na comunidade de Morrinhos 1, sob a acusação de ser a sequestradora de crianças para rituais de magia negra morreu nesta segunda-feira (5/5).

Leia mais notícias em Brasil

Ela foi internada, em estado grave no Hospital Santo Amaro, com quadro de traumatismo craniano no sábado (3/5), dia da agressão. Em coma induzido, o estado de saúde dela piorou no domingo (4/5).

Memória

O Brasil vive mais um registro na escalada de linchamentos e espancamentos coletivos. Acusada de ter sequestrado uma criança para rituais de magia negra, uma mulher foi espancada por moradores no Guarujá, litoral de São Paulo, na noite de sábado. A vítima foi imobilizada por vários homens não identificados que a amarraram, agrediram e depois levaram para os fundos do bairro com a intenção de matá-la. Inconformados com a brutalidade da agressão, outros moradores acionaram a Polícia Militar para tentar solucionar o problema. Ontem à noite a vítima, identificada como Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, seguia internada em estado gravíssimo no Hospital Santo Amaro. 

Segundo a PM, várias viaturas foram enviadas para o local, mas os policiais tiveram o trabalho dificultado pelos agressores, na tentativa de atrapalhar o resgate. A violência foi registrada em vídeo por uma moradora e revoltou amigos e familiares da vítima que, segundo testemunhas, é portadora de transtorno bipolar e passa por acompanhamento médico. A polícia trabalha com a hipótese de que ela tenha sido confundida com outra pessoa e, por isso, acabou sendo agredida. De acordo com os militares, ainda não foi comprovada a participação da mulher no suposto sequestro.

Vizinhos informaram que a mulher espancada se chama Fabiana e tem duas filhas, uma de 13 anos e uma de apenas um ano. Uma das vizinhas, que preferiu não se identificar, afirmou que Fabiana tem problemas psicológicos e que tomava remédios controlados. “Às vezes ela tinha alguns surtos, mas fora isso mais nada. Ela tomava remédios fortíssimos”, comentou.

Apesar dos remédios controlados, a vizinha garante que Fabiana nunca sequestrou nenhuma criança e que o ato da população foi impensado. “Nunca vi ela ser agressiva com ninguém, nem com as próprias filhas. As pessoas acreditam em tudo e acaba acontecendo uma tragédia. Eu não estava lá no momento do espancamento, mas se estivesse, defenderia ela imediatamente”, afirmou.

Na edição de ontem, o Estado de Minas mostrou que levantamento feito pela reportagem encontrou 36 casos de linchamentos e espancamentos coletivos neste ano. Do total, 19 resultaram na morte da vítima – um caso a cada oito dias. Os dados mais recentes pesquisados pelo Núcleo de Estudos de Violência da Universidade de São Paulo (USP) referem-se a São Paulo e vão até 2010, quando ocorreram 10 casos, com três mortos. Os números, entretanto, não são precisos, pois linchamentos e espancamentos não são caracterizados como um tipo penal e, por isso, não fazem parte das estatísticas de crime feitas pelos órgãos de segurança.

*Com informações do Estado de Minas

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: raoni
Correção necessária: ela não era acusada de nada. Não era suspeita de nada. Ela foi vítima de uma atrocidade. | Denuncie |

Autor: GILMAR PEREIRA
o povo esta fazendo justiça com as proprias mãos ja que o pais não tem mais. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas