Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sindicato condena adulteração de leite e defende aprimoramentos nas leis O Sindlat reconhece a necessidade de aperfeiçoamentos nos sistemas de controle de toda a cadeia produtiva

Agência Brasil

Publicação: 08/05/2014 18:59 Atualização:

O Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindlat) divulgou, nesta quinta-feira (8/5), nota em que manifesta apoio às investigações do Ministério Público gaúcho e do Ministério da Agricultura para coibir fraudes no setor. A entidade condenou a adulteração de leite – práticas criminosa atribuídas às empresas Pavlat e Hollmann, cujos donos foram presos na manhã desta quinta-feira, durante a quinta fase da Operação Leite Compen$ado. As duas companhias são associadas ao sindicato, criado em 1969.

"O Sindilat condena, com veemência, todo e qualquer tipo de desvio de qualidade no processo de elaboração de alimentos lácteos colocados à disposição dos consumidores. O sindicato apoia investigações criteriosas de órgãos públicos envolvidos na questão, como Ministério Público e Ministério da Agricultura, que buscam coibir fraudes. E, evidentemente, confia nas decisões da Justiça", informou a nota do sindicato.

Segundo o Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul, conversas telefônicas interceptadas com autorização judicial provam que os responsáveis da Pavlat e da Hollmann sabiam que os produtos colocados à venda estavam fora dos padrões sanitários, com problemas decorrentes do manuseio ruim e das más condições de transporte e fabricação, e que os funcionários eram orientados por superiores a adulterar o leite adquirido de produtores rurais gaúchos. Segundo o Ministério Público estadual, os dois empresários e o executivo da Hollmann presos esta manhã ordenavam a subordinados que corrigissem a acidez do leite cru prestes a estragar, adicionando diversos produtos, como soda cáustica, bicarbonato de sódio, água oxigenada e citrato, entre outros. Alem disso, amostras do produto inspecionado apontam a presença de água e de leite azedo. O volume das substâncias citadas comprado pelas duas empresas também chamou a atenção dos promotores.

Em entrevista à Agência Brasil, o promotor Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, da Vara Especializada de Defesa do Consumidor, destacou que a ação criminosa de poucas empresas prejudica toda a cadeia produtora de leite do estado, composta por cerca de 120 mil produtores de leite e 200 indústrias de laticínios. Para ele, as maiores fábricas gaúchas têm papel importante no combate às fraudes. "O leite cru não pode ser comercializado. Portanto, se essas indústrias adotarem todas as medidas para impedir esse tipo de prática, de nada vai adiantar o leite ser adulterado durante as fases de produção, transporte ou resfriamento", declarou.

O próprio Sindlat reconhece a necessidade de aperfeiçoamentos nos sistemas de controle de toda a cadeia produtiva. Recentemente, a entidade apresentou ao Ministério da Agricultura uma proposta para adequar a legislação, aprimorar a sistemática de análise da matéria-prima e garantir um melhor produto. "Alguns pontos que aprimorarão muito os processos de qualidade são a coleta de leite cru com contraprova, revisão dos padrões de ESD [Extrato Seco Desengordurado], revisão de metodologias oficiais para maior equivalência entre resultados de laboratórios oficiais e credenciados, validação dos kits rápidos para análises de resíduos de antibióticos e a possibilidade de descredenciamento de produtores e transportadores que comprovadamente promoverem fraude", defende a entidade na nota.

Leia mais notícias em Brasil

Essa quinta fase da Operação Leite Compen$ado foi deflagrada simultaneamente em dez cidades do Vale do Taquari e do Vale do Sinos. Além de Paverama, sede da Pavlat, e de Imigrante, onde está sediada a Hollmann, mandados de busca e apreensão e de prisão estão sendo cumpridos em Teutônia, Arroio do Meio, Encantado, Venâncio Aires, Marques de Souza, Travesseiro, Novo Hamburgo e Cruzeiro do Sul. Hoje, o promotor Alcindo Luz Bastos da Silva Filho informou que só a Pavlat e a Hollmann comercializaram cerca de um milhão de litros de leite adulterado ou fora dos padrões sanitários desde janeiro de 2013, quando começaram as investigações que culminaram na deflagração, hoje, da quinta fase da Operação Leite Compen$ado.

A primeira fase da operação foi desencadeada há exatamente um ano, em 8 de maio de 2013. Na ocasião, o Sindlat e o Conselho Paritário Produtores/Indústria do Leite (Conseleite-RS) informaram confiar no trabalho dos orgãos federais e estaduais responsáveis por "enquadrar os poucos que causaram prejuízos reais e de imagem aos muitos que labutam nessa atividade, uma das que hoje mais bem remuneram e fixam o homem no campo". As duas entidades também destacaram que a indústria gaúcha é rigorosa na avaliação da matéria-prima recebida, que é submetida a 22 tipos de testes, inclusive o realizado para detectar a adição externa de ureia no leite e que o volume de leite adulterado era ínfimo se comparado ao total produzido pelo setor.

A Agência Brasil tentou ouvir os representantes da Hollmann por meio dos telefones informados no site da empresa, mas não conseguiu contato. A assessoria da Pavlat informou que divulgará uma nota , mas não tinha enviado nenhuma resposta até o fechamento da matéria.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: José A. S. Neto
Engraçado ! ---- Sindicato não é para defender umas classe ? ? ? No caso de empresas ELAS NÃO DEVERIAM SER CONCORRENTES ? ? ? ? -------- Então para que SINDICATO ? sÓ SE FOR PARA COMBINAREM PREÇO ! ! ! ------ aLÉM DO MAIS, OS EMPRESÁRIOS NÃO SÃO TÃO CONTRA SINDICATO ? ? ? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas