Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Propagação de boatos pela internet pode ter impactos negativos na sociedade O Correio ouviu diversos especialistas para entender o poder da internet sobre os %u201Cjustiçamentos%u201D recentes

Julia Chaib

Renata Mariz

Publicação: 11/05/2014 08:00 Atualização:

Família de Fabiane: quatro presos por terem participado do linchamento (Marcos Alves/Agência O Globo)
Família de Fabiane: quatro presos por terem participado do linchamento
 

O caso da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, 33 anos, linchada por moradores de um bairro de periferia em Guarujá (SP), no último dia 3, após ser confundida com uma sequestradora, reacendeu o debate sobre justiçamentos e os impactos negativos que têm a propagação de boatos pela internet. Na avaliação de especialistas ouvidos pelo Correio, não se pode atribuir o espancamento a que a mulher foi submetida somente à crença da população de que ela seria uma criminosa. A informação, no entanto, serviu como combustível para a agressão e levou uma pessoa à morte. Fabiane morreu dois dias depois de ser espancada, jogada em uma vala e arrastada por uma bicicleta. O linchamento da dona de casa é pelo menos a 20ª situação de justiça feita com as próprias mãos em 2014.

Fabiane foi agredida depois de a página da internet Guarujá Notícias publicar um retrato falado de uma mulher que supostamente sequestrava crianças para usá-las em rituais satânicos. Depois de lerem a notícia, moradores de uma periferia do Guarujá confundiram Fabiane com a mulher da foto divulgada e a lincharam. A polícia, entretanto, informou que a publicação do site não passava de um boato e que a dona de casa não era envolvida em sequestros. O retrato falado que circulava havia sido produzido no Rio de Janeiro, em 2012. Diante do caso que chocou o país, especialistas são enfáticos ao dizer que o boato não justifica o ato e que ele não foi motivado apenas pela notícia, mas ressaltam os perigos de uma mentira propagada em cadeia.

Leia mais notícias em Brasil

O consultor em redes sociais, professor da Fundação Getulio Vargas e da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) Edney Souza explica que os boatos propagados na internet são conhecidos pelo nome de hoax. Quando alguns tentam deixar claro que se trata de uma informação falsa, podem até colocar “é um boato” ou “não acredite em tudo o que lê”, mas o fazem com letras pequenas, que não chamam muita atenção.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: José Júnior
Meus sentimentos a essa família.Fico triste que esse caso não tenha merecido um comunicado em rede nacional da presidenta ou mesmo do governador de SP.Eles se fizeram de surdos. Até mesmo num pronunciamento de um senador, ele sequer citou o nome da vítima. Lamentável e revoltante. | Denuncie |

Autor: Antonio Santos
Precisa ser responsabilizado criminalmente..É um inconsequente. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas