Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PM usa bombas de gás e dispersa manifestação contra a Copa em São Paulo O protesto foi organizado pelo Comitê Popular da Copa em São Paulo e faz parte do Dia Internacional de Lutas contra a Copa

Agência Brasil

Publicação: 15/05/2014 21:19 Atualização: 15/05/2014 21:24

A Polícia Militar (PM) usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar protesto contra os gastos da Copa do Mundo na noite de hoje (15), na capital paulista. O tumulto começou quando parte dos manifestantes começou a fazer pichações e tentou invadir uma loja. Após a ação policial, o ato se dividiu em vários grupos.

 (Nelson Almeida/AFP Photo)


Alguns seguiram o trajeto previsto e foram em direção ao Estádio do Pacaembu. Outros foram em direção à Rua Augusta, onde atearam fogo a sacos de lixo para fazer barricadas. Lojas e agências bancárias foram depredadas. A PM deteve sete pessoas suspeitas de danos ao patrimônio.

Leia mais noticias em Política

Os manifestantes começaram a se concentrar às 17h na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista. Os manifestantes ficaram no local por cerca de duas horas, antes de saírem em passeata pela Rua da Consolação, onde o tumulto teve início. Antes que a caminhada começasse, a PM informou ter detido 20 pessoas, que, segundo a corporação, portavam coquetéis-molotovs e martelos. Segundo a PM, o ato começou com 1,2 mil pessoas, acompanhadas por 500 policiais.

O protesto foi organizado pelo Comitê Popular da Copa em São Paulo e faz parte do Dia Internacional de Lutas contra a Copa. Participaram do ato movimentos de luta por moradia, partidos políticos e movimentos estudantis, além de pessoas que compareceram espontaneamente ao local.

Integrante do comitê, Marina Mattar explicou que a manifestação não é contra o evento esportivo. Segundo ela, o protesto busca dar visibilidade às violações de direitos humanos durante os preparativos para a Copa. “A questão não é se vai ter Copa. Já terá a Copa. Nosso objetivo é que a gente conquiste alguns direitos que a Copa ajudou a usurpar”, declarou.

Antes do início da passeata, os militantes projetaram, na lateral de um edifício na Avenida Paulista, os valores gastos na organização do evento e o nome de operários que morreram em obras de construção de estádios. “As mortes têm muita ligação com a situação da construção civil no Brasil. A precarização do trabalho pela terceirização, pela quarteirização. Ninguém tem responsabilidade”, ressaltou o militante do Comitê Popular da Copa, Thiago Rosa.

As remoções por obras relacionadas ao Mundial também foram lembradas com faixas e cartazes. “Além da remoção direta, tem a expulsão reflexo da especulação imobiliária. Você vê que ao lado do Itaquerão [estádio que receberá a abertura da Copa] há um aumento de 150% no preço da terra”, acrescentou Thiago.

Para Átila Pinheiro, membro do Movimento Nacional de População em Situação de Rua, o morador de rua é o primeiro a perder com a Copa. “Querem criminalizar o morador de rua como usuário de drogas. Então, expulsar essas pessoas dos espaços centrais e de turismo”, reclamou Pinheiro. Na opinião dele, faltam espaços para atender essa população sem tratá-la essencialmente como viciados em drogas.

Segundo Pinheiro, os moradores de rua buscam entorpecentes para suportar as dificuldades por que passam. “É a pinga para suportar o frio, para suportar a opressão. Essas pessoas são massacradas cotidianamente. Veja o que aconteceu em Goiás [onde mais de 30 moradores de rua foram assassinados em 2013]. E esses eventos promovem a impunidade para quem ataca essas pessoas”, disse.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas