Brasil
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rebelião no presídio de Aracaju acaba após 26 horas de negociações A rebelião aconteceu no sábado em um dos quatro pavilhões do presídio, com 123 detentos. As negociações foram interrompidas na noite de sábado e retomadas nesta manhã

Publicação: 18/05/2014 10:08 Atualização: 18/05/2014 14:50

Brasília - Detentos de um presídio de segurança máxima de Sergipe liberam os agentes reféns e os familiares, após 26 horas de negociações.


"As negociações foram retomadas neste domingo. Os presos pediram a presença de um juiz e de representantes da Comissão de Direitos Humanos do estado, que já estão no presídio", afirmou à AFP a advogada Sandra Melo, porta-voz do Complexo Penitenciário Advogado Jacinto Filho (Compajaf), na cidade de Aracaju, que representa a Reviver, a empresa privada que coadministra o presídio com governo do estado de Sergipe.

A rebelião aconteceu no sábado em um dos quatro pavilhões do presídio, com 123 detentos. As negociações foram interrompidas na noite de sábado e retomadas na manhã de domingo.

Leia mais notícias em Brasil

A crise acontece a 26 dias do início da Copa do Mundo e em meio a vários protestos por reivindicações salariais e contra os altos custos do Mundial. Sergipe não está entre as sedes do torneio.

De acordo com Sandra Melo, o motivo da rebelião ainda não está claro, mas as autoridades presumem que os detentos desejam uma transferência.


Com informações de agências

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Eduardo ferreira santos
Isto Brasil preso toca o horror e direitos humanos e outras entidades vão dar apoio a esta corja. transfere eles para a selva amazônica e salve-se quem puder, | Denuncie |

Autor: Anilton Moccio
Em presidio de segurança máxima ninguém poderia ter contato com os presos, só por vídeo conferência. | Denuncie |

Autor: Alexandre Melo
Só no Brasil para entregar a administração de um presídio de segurança máxima nas mãos de empresas. A segurança é um dever do estado. Lá dentro existem pessoas de alta periculosidade. Só é possível privatizar unidades em não se encontram presos perigosos ou com envolvimento com quadrilhas. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas