Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Prefeitura paulista se articula para enfrentar greve no transporte público De acordo com o secretário municipal de Transportes o inquérito pretende apurar o que está por trás desse movimento de paralisação

Agência Brasil

Publicação: 21/05/2014 19:50 Atualização: 21/05/2014 19:54

Reunidos hoje (21/5) à tarde, na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, no centro da capital, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, e o secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella, decidiram adotar dois procedimentos para tentar controlar a paralisação de motoristas e de cobradores de ônibus, que acontece desde a manhã de ontem (20/5) em toda a capital paulista.

Vamos ter, de imediato, um funcionário da SPTrans, empresa que administra o transporte de ônibus de São Paulo, dentro do Centro de Operações (Copom) da Polícia Militar (PM), e será instaurado um inquérito para apurar o movimento de paralisação dos motoristas e cobradores, "em face da ocorrência de ontem, para apurar eventual existência de crimes%u201D, segundo Grella.

Jilmar Tatto explicou que o membro da SPTrans vai ficar online com o comando da polícia para agilizar algumas operações, tais como solicitar reforço policial para a retirada de veículos que obstruam vias públicas. Segundo Grella, esse procedimento pretende aumentar a rapidez das comunicações da SPTrans com a PM sobre ocorrências e irregularidades relacionadas à paralisação. %u201CCom isso, eliminamos de vez qualquer possibilidade de se falar que está havendo alguma interrupção ou dificuldade de comunicação%u201D, disse o secretário de Segurança.

De acordo com Tatto, o inquérito pretende apurar %u201Co que está por trás desse movimento de paralisação, visto que não é um movimento grevista e não tem um líder%u201D. Ele informou ainda que a prefeitura pretende multar as empresas de ônibus pela falta de transporte na cidade: %u201CElas serão multadas naquilo que é competência delas, dos ônibus não estarem operando".

Leia mais notícias em Brasil

Tatto disse que hoje pessoas armadas, em motos, ameaçaram motoristas na zona sul da capital, na região do Grajaú, para tirar a chave dos veículos ou cortar as correias, impedindo que eles possam circular pela cidade. %u201CHouve o caso de uma pessoa na moto, que desceu, e pediu para o motorista tirar a chave, e foi embora. Houve outro caso de uma pessoa que se passou por passageiro e, armado, pediu a chave para o motorista e foi embora%u201D, falou ele. Para o secretário dos Transportes, parte do movimento é feito por %u201Ccriminosos%u201D. %u201CNão sei se é todo o movimento, mas atos como esses, de pessoas com revólver, tirando a chave do carro e atos como o de abrir o capô do ônibus para cortar a correia são [atos criminosos]%u201D. Grella disse que esses relatos serão investigados pela polícia.

Grella negou que tenha faltado policiamento durante a paralisação de motoristas e cobradores de ônibus para impedir os bloqueios dos terminais. %u201CTinha policiamento. A PM estava na rua, fazendo o seu papel%u201D, disse ele. Segundo ele, não é papel da PM retirar os ônibus que foram estacionados nas vias públicas. %u201CDeixar o veículo parado em uma via é uma infração administrativa, e isso não é a polícia que deve fazer. A polícia deve dar apoio, quando solicitada%u201D. Segundo ele, a PM vai continuar exercendo seu papel, e %u201Cestará a postos para evitar tumulto e para assegurar a ação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) na remoção de ônibus%u201D.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas