Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Corpo do arquiteto Lelé será velado no Salão Nobre da Câmara dos Deputados João da Gama Filgueiras Lima morreu em Salvador aos 82 anos, depois de mais de dois meses internado em consequência de um câncer. Um dos pioneiros da capital federal, deixou legado em várias cidades brasileiras

Publicação: 21/05/2014 21:40 Atualização:

 (Iano Andrade/CB/D.A Press - 09/12/2010 )

O corpo do arquiteto João da Gama Filgueiras Lima, o Lelé, será velado no Salão Nobre da Câmara dos Deputados, em Brasília, entre 17h e 22h desta quinta-feira (22/5). O sepultamento está previsto para as 10h do dia seguinte (sexta-feira, 23/5), no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. Um dos mais importantes arquitetos brasileiros de todos os tempos, Lelé morreu ao meio-dia desta quarta-feira (21/5), depois de mais de dois meses internado em consequência de um câncer. Ele tinha 82 anos.

Em nota, a presidente Dilma Rousseff lamentou a morte: "Com sua rara criatividade e insuperável capacidade construtiva, Lelé provou que é possível fazer uma arquitetura social com inovação e qualidade. Ele foi ao mesmo tempo artista, cientista e humanista". Antes das cerimônias fúnebres em Brasília, Lelé será velado em Salvador, no Centro Administrativo da Bahia.

Da parceria com Oscar Niemeyer, Athos Bulcão e Darcy Ribeiro, resultaram algumas das mais grandiosas, inteligentes, funcionais, sociais e belas obras de Brasília. Com Oscar, fez o Minhocão e o Quartel-General do Exército, por exemplo; com Athos Bulcão, as unidades da Rede Sarah; com Darcy, o Beijódromo. Seu corpo está sendo velado em Salvador, onde morreu, e depois segue para Brasília, onde será enterrado no Campo da Esperança.

Lelé deixou obras por várias cidades brasileiras, de Macapá ao Rio de Janeiro, mais de duas dezenas em Brasília e um legado único: era um arquiteto que inventava modos de construção mais rápidas, os pré-fabricados, produzia novas tecnologias e dedicava-se a projetar hospitais, escolas, equipamentos urbanos, móveis hospitalares e tudo o mais que facilitasse a vida dos doentes e das populações periféricas. Era um utopista e um pragmático. Sensível e discreto. Nasceu no Rio de Janeiro e morou em Brasília e em Salvador.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Tomaz rodrigues
BRASILIA PERDE O ÍCONE DE SUA HISTÓRIA. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas