Brasil
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Procuradores publicam regras para visita de crianças em presídios Preocupados com a lei que permite que filhos vejam os pais na cadeia sem autorização judicial, procuradores publicaram diretrizes. A intenção é garantir a integridade física, psíquica e moral dos menores de idade

Renata Mariz

Publicação: 25/05/2014 08:00 Atualização:

Crianças no Presídio Feminino de Brasília: revista vexatória preocupa (Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 14/10/10)
Crianças no Presídio Feminino de Brasília: revista vexatória preocupa


Embora ninguém duvide da boa intenção da lei publicada recentemente pela presidente Dilma Rousseff que permite a visita de crianças a pais ou a mães presos, sem autorização judicial, problemas graves na entrada desse público em penitenciárias de todo o país levaram o Conselho Nacional de Procuradores de Justiça a emitir uma nota técnica a respeito do tema. Por meio da Comissão Permanente da Infância e Juventude (Copeij), a entidade divulgou diretrizes a serem seguidas pelas administrações prisionais de cada unidade da Federação para garantir a integridade física, psíquica e moral dos filhos de condenados.

Dia separado para a visita, idade mínima de 1 ano, vedação de revista vexatória e local adequado para a permanência das crianças são alguns dos itens da nota técnica, que teve sua aprovação acelerada depois que a Lei 12.962 foi sancionada, em abril. A entidade decidiu elaborar o documento devido a denúncias de violações de direitos recebidas de diversas partes do país. Uma delas, em particular, chocou os conselheiros — filhos que acompanham mães durante visitas íntimas presenciam a relação sexual mantida entre os pais em cárceres no Sul do Brasil.

Leia mais notícias em Brasil

Uma das maiores preocupações dos procuradores está nos procedimentos para inspecionar o corpo das crianças antes do acesso às unidades. “Defendemos que as revistas sejam realizadas nos presos, antes do ingresso nos pavilhões e depois, ao retornar às celas, e não nos visitantes”, afirma o promotor de Justiça no Distrito Federal Renato Varalda, que é membro do Copeij. Ele chama a atenção, ainda, para a falta de estrutura presente em praticamente todas as penitenciárias do país. “Devemos pensar em políticas públicas futuras para os estabelecimentos penais, com projetos arquitetônicos que viabilizem a proteção integral das crianças e dos adolescentes”, defendeu.

Registro
Em caso de filhos não registrados, na avaliação do Conselho Nacional de Procuradores de Justiça, a entrada no presídio só deve ser autorizada depois da regularização do registro civil. A entidade defende também que as visitas durem, no máximo, quatro horas. Embora reconheçam o direito do preso de ver os filhos, e o dos filhos de conviverem com os pais, ainda que privados de liberdade, procuradores e promotores de Justiça ligados à infância observam que há peculiaridades a serem observadas — tais como a condição de pessoa em desenvolvimento e a proteção integral à criança preconizada na Constituição Federal.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: ines sztybe
Quem avalia o vínculo que o preso realmente tinha com essa visita para que ela seja mantida? Ou se ocorre como no comentário do colega Jorge Reis Chagas, só lembrou-se da família após estar preso? | Denuncie |

Autor: ines sztybe
Vexatória, mas como garantir a segurança sem fazê-la? Que arquitetura seria essa? Outra questão, muitas crianças visitam sim, dentro do cárcere e presenciam todo tipo de coisa, desde uso de drogas, negociações a cenas de sexo. Será que essa é relamente uma medida saudável às crianças? Tenho dúvidas | Denuncie |

Autor: ines sztybe
Tive a aoportunidade de fazer parte das equipes técnicas do sistema socioeducativo em São Paulo por 5 anos. Apesar de não tratar-se de "presídio" a revista é idêntica. A autorização para visitar era dada pela própria direção da Unidade, desde que comprovado o vínculo familiar. A revista é sim, vexat | Denuncie |

Autor: George Reis Chagas
É simples, não quer passar por revista? Visita por telefone, e um acrílico de 12 mm separando o interno do visitante. Quem quis ficar longe da família foi o preso, depois que ele sair ele vai nem lembrar da família, somente quer ficar perto da mãe quando ver o sol nascer quadrado. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas