Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ocupação da rede hoteleira durante a Copa atinge expectativa do setor Rio de Janeiro lidera o ranking, com 98% de ocupação prevista para o período do Mundial

Agência Brasil

Publicação: 28/05/2014 18:50 Atualização:

A Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) divulgou nesta quarta-feira (28/5) as estimativas do setor para a Copa do Mundo e informou que a procura por reservas em hotéis, pousadas, albergues, pensões e motéis nas cidades-sede atingiu a expectativa dos empresários para o período.

O Rio de Janeiro lidera o ranking, com 98% de ocupação prevista para o período do Mundial. São Paulo terá a menor taxa de ocupação, com 62%. De acordo com o presidente da FBHA, Alexandre Sampaio, o alto percentual de ocupação vai dar visibilidade para o setor hoteleiro nacional. "De um modo geral, podemos dizer que a taxa de ocupação é positiva. Isso vai dar uma visibilidade importante da imagem do Brasil lá fora, porque sendo bem atendidas, essas pessoas vão retornar para o nosso país", disse.

Recife, Porto Alegre, Fortaleza, Natal e Brasília aparecem em seguida no ranking da taxa de ocupação da rede hoteleira durante a Copa. Em Brasília, a previsão de ocupação de 70% é considerada “muito boa” pela federação, já que em julho a cidade costuma registrar poucas reservas em virtude do recesso do Congresso Nacional.

Porto Alegre, com 80% de ocupação durante a Copa, deverá receber muitos turistas da América do Sul, pela proximidade com países vizinhos da região, de acordo com a entidade. As cidades com os índices mais baixos de reservas são Belo Horizonte, Salvador, Cuiabá e Curitiba. Manaus e São Paulo, com 65% e 62% de ocupação, respectivamente, ficaram abaixo das expectativas do setor.
 
 
“São Paulo é uma cidade de eventos e, consequentemente, as pessoas que viajam a negócios estão evitando se deslocar durante a Copa do Mundo. Em função das partidas designadas ou porque não tem atrativos turísticos, [a cidade] perdeu grande parte da sua demanda e isso explica essa ocupação mais baixa. Manaus é uma questão de distância mesmo, de acesso”, explicou Sampaio.

A federação aponta que o setor hoteleiro enfrentou algumas dificuldades em relação à mão de obra qualificada e treinamento durante a preparação para a Copa, e, segundo Sampaio, até o fim do megaevento, ainda haverá problemas. “É importante a gente dar a melhor qualidade de recepção para esse pessoal que está vindo. A questão linguística [do idioma] vai ser um complicador. Alguns trabalharam fortemente com o Ministério de Turismo, provendo formação linguística para o pessoal de atendimento, mas eu acho que a gente deve ter algum percalço”, avaliou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas