Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Servidores do Inca em greve no Rio denunciam falta de medicamentos Os grevistas querem a redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais, além de melhores condições de atendimento e de trabalho

Agência Brasil

Publicação: 02/06/2014 17:13 Atualização:

Os profissionais da área de saúde do Instituto Nacional do Câncer (Inca), em greve há uma semana, cobraram hoje (2/6) a retomada das negociações com o Ministério da Saúde. Querem a redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais, além de melhores condições de atendimento e de trabalho. Em ato no centro da cidade do Rio de Janeiro, denunciaram também a falta de medicamentos, assédio moral e um caso de lesão corporal a uma enfermeira, que teria sido agredida por um segurança.

Apesar do movimento grevista, o atendimento ao público na unidade é feito normalmente, segundo a direção e as lideranças sindicais. A greve consiste no não preenchimento de documentos internos e de prontuários eletrônicos, procedimentos internos da instituição. Sobre a agressão à enfermeira, ocorrida na semana passada, devido à greve, o Inca informa que o caso está na corregedoria do Ministério da Saúde.

No protesto, o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Sindsprev-RJ) apresentou uma lista com mais de 20 itens em falta ou em nível crítico no Inca, assinada pela chefe de Farmácia da unidade, Dulce Helena Nunes Couto. Entre eles, remédios para o câncer, mal de Parkinson e antibióticos. No ato, um caixão representava a unidade.

Leia mais notícias em Brasil

“O governo deixa faltar esses itens para justificar a gestão privada”, avalia a diretora do sindicato Cristiane Gerardo. Segundo ela, semana passada, chegaram a faltar fraldas descartáveis no Inca. O diretor do hospital, Luiz Antonio Santini, no entanto, contesta a denúncia do sindicato. “Isso não é verdade. É mentira”, declarou. “Eventualmente, quando há problema na entrega, temos como resolver através de empréstimos e pedidos de antecipação”, alegou.

O direto do instituto também explicou que a decisão de reduzir a jornada dos profissionais depende do governo, porque os servidores do Inca fazem parte da carreira do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, cuja carga horária é 40 horas. "O diferencial é que o salário é maior que o dos demais servidores e agrega remuneração por títulos”, disse. Para mudar o quadro, explica que é necessária uma mudança legal.

Por outro lado, o diretor do Sindisprev, Luis Fernando Carvalho, esclarece que a redução da jornada para 30 horas no Inca é fundamental para o melhor atendimento. “O tratamento de pacientes com câncer, entre eles, crianças e idosos, leva a um adoecimento emocional e a um esgotamento físico muito grande dos profissionais. A redução da carga horária permite melhores condições de trabalho”.

Os profissionais em greve também pedem abertura de concurso. O instituto anunciou um edital para substituir 583 profissionais, mas o concurso não cobrirá o déficit, de acordo com os sindicalistas e a própria direção do Inca. “É uma medida importante, mas não resolve porque perderemos um número maior de pessoas por aposentadorias e perderemos a expertise e o conhecimento daquelas que serão demitidas [pelo fim do contrato]”, avaliou Santini.

Nos próximos dias, os profissionais da saúde e servidores da rede federal em greve farão atos em frente às unidades vinculadas ao Ministério da Saúde. Amanhã (3), estarão no Hospital Federal Cardoso Fontes e na quarta-feira, no Hospital Federal da Lagoa, na zona sul. Entre as reivindicação, também querem o fim da terceirização de profissionais.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas