Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comissão da Verdade de SP quer contestar versão de morte de JK na Justiça As investigações da Comissão Nacional da Verdade apontaram que a morte de JK e de seu motorista foi decorrente do acidente automobilístico sofrido na Rodovia Presidente Dutra, em agosto de 1976

Agência Brasil

Publicação: 03/06/2014 21:24 Atualização:

A Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo prepara mandado de segurança para contestar a versão de morte acidental do ex-presidente Juscelino Kubitschek. As investigações da Comissão Nacional da Verdade (CNV) apontaram que a morte de JK e de seu motorista, Geraldo Ribeiro, foi decorrente do acidente automobilístico sofrido na Rodovia Presidente Dutra, em agosto de 1976.

O presidente da comissão municipal, vereador Gilberto Natalini (PV), defende apuração mais aprofundada, antes de uma conclusão sobre o caso. Para ele, pode se tratar de um assassinato. “Estamos preparando um mandado de segurança para que a Comissão Nacional da Verdade (CNV) não publique o relatório sem ouvir todos os envolvidos, principalmente os que presenciaram o acidente”, ressaltou em uma audiência pública na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Leia mais notícias em Brasil


Entre as evidências apresentadas pelas investigações conduzidas pelos vereadores está o depoimento do motorista de ônibus Nunes de Oliveira, que contradiz a versão da movimentação do carro no momento do acidente. Além do relato do perito criminal Alberto Carlos de Minas, que diz ter recebido ameaças para não vincular o acidente a um atentado político.

O relatório preliminar da CNV foi apresentado em abril. Na ocasião, o coordenador da comissão, Pedro Dallari, disse que a CNV não foi convencida pelas conclusões da comissão municipal, que apontam para assassinato. Segundo ele, “não há documentos, laudos e fotografias trazidos para a presente análise, [nem] qualquer elemento material que, sequer, sugira que o ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira e Geraldo Ribeiro tenham sido assassinados, vítimas de homicídio doloso”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas