Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Metroviários de São Paulo declaram greve e afetam 4,5 milhões de usuários A greve foi decidida após o fracasso nas negociações por um aumento salarial de 16,5%

France Presse

Publicação: 05/06/2014 08:57 Atualização: 05/06/2014 12:18


Cartazes contra a Copa: Greve dos metroviários causou confusão em SP


São Paulo -
Funcionários do metrô de São Paulo decidiram, em assembleia realizada na noite desta quarta-feira (4/6), entrar em greve por tempo indeterminado a partir do primeiro minuto de quinta-feira - informou um porta-voz do sindicato dos metroviários à AFP.

A greve, que afetará cerca de 4,5 milhões de usuários, foi decidida após o fracasso nas negociações por um aumento salarial de 16,5%.

Aprovada por unanimidade, a paralisação ocorre a uma semana do início da Copa do Mundo, cuja partida inaugural será jogada no estádio Itaquerão.

Uma liminar concedida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que 70% dos metroviários trabalhem durante a greve.

A categoria deverá fazer uma nova assembleia nesta quinta-feira, para avaliar a decisão do TRT. Em razão da paralisação, a prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio de carros vigente na cidade.

Estado de greve


Com cerca de 10 mil funcionários, o metrô de São Paulo é a principal forma de acesso ao estádio de abertura do Mundial. A maior parte das linhas do metrô não irá operar e as estações permanecerão fechadas durante a greve.

Apenas a linha 4 do metrô irá funcionar normalmente nesta quinta-feira, já que o trecho é operado por uma empresa privada. Os funcionários da ViaQuatro não pertencem ao mesmo sindicato que os demais metroviários.

Leia mais notícias em Brasil

O sindicato da categoria rejeitou a proposta de aumento de 8,7% feita pelo Metrô-SP e informou que os metroviários não voltarão ao trabalho até que seja apresentada uma contra-proposta de pelo menos 10% de aumento.

"Se existe dinheiro para o Itaquerão e a Copa, como eles não têm dinheiro para o transporte público?" - questionou o presidente do sindicato, Altino Melo Prazeres.

Os metroviários de São Paulo estavam em "estado de greve" desde a semana passada. Cerca de 400 policiais militares aposentados e 12.000 militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) protestavam do lado de fora do Itaquerão, onde, no próximo dia 12 de junho, Brasil e Croácia se enfrentarão.

Os protestos ocorriam de maneira pacífica. "Nós não vamos atirar uma pedra sequer contra o estádio", declararam militantes do MTST a um fotógrafo da AFP.

"A periferia chegou", gritavam os manifestantes em frente ao estádio, assim como palavras de ordem contra o Mundial e a especulação imobiliária.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas