Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Metroviários rejeitam proposta de reajuste e mantêm greve em São Paulo Para o presidente do sindicato, Altino Prazeres, falta vontade do governo estadual para negociar com a categoria

Agência Brasil

Publicação: 05/06/2014 20:17 Atualização:

Em assembleia na noite desta quinta-feira (5/6), os metroviários decidiram manter a greve iniciada na manhã desta quinta-feira na capital paulista. A categoria voltou a recusar a proposta de reajuste de 8,7% de aumento apresentada pela direção da empresa. Durante a tarde, representantes da companhia e do sindicato tentaram entendimento em uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região. Uma nova assembleia está marcada para as 17h desta sexta-feira (6/6).

Para o presidente do sindicato, Altino Prazeres, falta vontade do governo estadual para negociar com a categoria. “O governo precisa ter sensibilidade com os trabalhadores”, afirmou Prazeres após a assembleia. Na ocasião, os metroviários aprovaram a proposta de um dia de passagens gratuitas para os usuários.

“Propomos a catraca livre, inclusive com desconto do dia do trabalhador, para mostrar a nossa disposição de negociar e deixar que a população possa se locomover na cidade de São Paulo”, ressaltou o sindicalista, ao comentar a proposta. Para viabilizar a gratuidade, os metroviários se dispuseram a abrir mão de um dia de salário. Na audiência no TRT, a sugestão foi rejeitada pelos dirigentes da empresa.

Prazeres disse que, sem o aval do governo, a gratuidade traria riscos para os passageiros. “A catraca livre, se for por opção da categoria, sempre tem uma ameaça de repressão da Polícia Militar. Nós queríamos fazer uma catraca livre onde a população ficasse à vontade, em que um senhor de idade, uma grávida, pudessem entrar no sistema sem ter que ficar pulando a catraca”, explicou.

Leia mais notícias em Brasil

De acordo com o sindicalista, os metroviários não estão dispostos a obedecer aos percentuais mínimos de funcionamento estabelecidos em decisão judicial. “Funcionar 100% no horário de pico é impossível, porque, na verdade, isso é acabar com a greve”, disse Prazeres sobre a liminar que determina operação total do sistema entre as 6h e as 9h e das 16h às 19h. Nos demais horários, a exigência é que o funcionamento fique em 70% da capacidade.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas