Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Governo investe em ações preventivas contra exploração sexual de menores Pesquisadores acreditam que o grande fluxo de turistas durante o Mundial deve acarretar aumento no número de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes

Julia Chaib

Publicação: 08/06/2014 08:00 Atualização:

Homem transporta menina para pontos de exploração sexual próximo ao Porto de Manaus: riscos de aumento da prostituição infantil no período dos jogos ( Monique Renne/CB/D.A Press)
Homem transporta menina para pontos de exploração sexual próximo ao Porto de Manaus: riscos de aumento da prostituição infantil no período dos jogos

Festividades à parte, a Copa do Mundo deve reforçar uma triste realidade no país: a exploração sexual de crianças e adolescentes. Especialistas acreditam que o fluxo de turistas, tanto estrangeiros quanto brasileiros, favorece a prostituição e os abusos. Um estudo do Serviço Social da Indústria (Sesi) mostrou que, a cada 370 turistas que desembarcaram entre 2008 e 2010 em Salvador — um dos municípios palco de jogos do Mundial —, uma denúncia foi feita ao Disque 100, da Secretaria de Direitos Humanos. Outra pesquisa, da Brunel University, na Inglaterra, alerta para o crescimento desse tipo de ocorrência em grandes eventos.

Leia mais notícias em Brasil

O estudo, encomendado pelo Sesi Nacional à John Snow Consultoria, foi apresentado em um seminário sobre o assunto em Paris, no ano passado, com representantes dos governos brasileiro e francês, além de entidades. A pesquisa avaliou a relação entre as denúncias de exploração de crianças e adolescentes feitas ao Disque 100 e o fluxo de turistas em Salvador e em São Paulo durante 36 meses. O autor do levantamento, Miguel Fontes, explica que as duas cidades foram escolhidas por apresentaram fluxos migratórios diferentes. “São Paulo tem um turismo de negócios, enquanto em Salvador a motivação é o lazer”, diz o doutor em saúde pública e diretor da John Snow.

O resultado da avaliação é o de que as viagens a lazer contribuem mais para aumento dos abusos do que as de negócios. Enquanto a cada 370 turistas que desembarcavam em Salvador a quantidade de denúncias aumentava, em São Paulo, a variação ocorria em grupos de 2.567 estrangeiros. “A gente considera o turismo da Copa como turismo de lazer, e o fluxo migratório vai aumentar muito. Se seguir o padrão da Bahia, pode haver um aumento de abusos. Em contrapartida, há campanhas para coibir esses casos”, afirma Fontes. Para o evento que começa nesta semana, o Ministério do Turismo espera a vinda de 600 mil estrangeiros durante quase um mês de Copa, além de 3,1 milhões de brasileiros que devem viajar entre as 12 cidades sedes. O perfil dos turistas esperado é o mesmo que foi à Copa na África do Sul. De acordo com o ministério, eles eram, na maioria, homens solteiros, com renda e escolaridade altas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas